Política Monetária OCDE: Bancos centrais estão a colocar em risco a economia mundial

OCDE: Bancos centrais estão a colocar em risco a economia mundial

William White, consultor da OCDE, acredita que a política monetária expansionista dos grandes bancos centrais poderá ter efeitos colaterais indesejados, como o aumento da dívida dos Estados e das famílias.
OCDE: Bancos centrais estão a colocar em risco a economia mundial
Bloomberg
Rita Faria 09 de fevereiro de 2016 às 12:56

A política monetária expansionista da maioria dos bancos centrais de todo o mundo está a colocar em risco a economia mundial. Quem o diz é William White, consultor da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que entende que as opções das autoridades monetárias podem ter efeitos secundários indesejáveis.

Numa entrevista à Bloomberg TV, White, que lidera o Comité de Análise da Economia e Desenvolvimento da OCDE, considera que as taxas de juro negativas e os programas de alívio quantitativo (QE, na sigla inglesa) dos Estados Unidos ao Japão podem ter efeitos colaterais como o aumento da dívida dos Estados e dos consumidores.

Os banqueiros centrais têm-se desviado do seu foco na inflação numa altura em que os governos lutam para gerar um crescimento sustentável, acrescenta o responsável.

"O objectivo da política mudou totalmente – está a tentar estimular a procura agregada e a verdade é que não é capaz de fazer isso de uma forma sustentável", defendeu o consultor da OCDE, em declarações à Bloomberg. Se as pessoas pensassem que estamos num período de desalavancagem, isso preparava o terreno para um período de crescimento robusto. Mas ainda nem sequer começámos".

Os investidores esperam que o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, anuncie um reforço dos estímulos à economia já em Março, numa altura em que a queda dos preços do petróleo está a impedir a subida da inflação.

O Banco de Inglaterra, por sua vez, tem adiado consecutivamente a subida dos juros, enquanto os investidores acreditam cada vez menos num novo aumento da taxa directora por parte da Reserva Federal norte-americana nos próximos tempos.

White admite estar "céptico" em relação aos benefícios de tais decisões por causa da tensão que colocam sobre o sistema bancário.

"Taxas negativas sobre as reservas estão, na verdade, a espremer os lucros dos bancos, e isso é algo que não queremos, nestas circunstâncias. Queremos que eles aumentem as suas almofadas de capital. Isto tudo é experimental", sublinha White.

O consultor da OCDE defende ainda que os governos que dispõem de alguma margem de manobra, em termos orçamentais, devem aumentar a despesa, e prestar mais atenção ao crescimento dos salários que continua "muito baixo". 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 09.02.2016

Esta aqui criada uma situacao identica:"QUEM NASCEU PRIMEIRO A GALINHA OU O OVO".O que devia ter sido feito nao se fez:os bancos precaverem-se para o futuro,em vez disso ainda se enterraram mais(alguns ate cairam para sempre)

a ver vamos 09.02.2016

Ai este especialista deve precisar de uns bons conselhos com tino sobre economia, como do novo primeiro ministro português ou do seu ministro das finanças e mesmo do sr Dragai, que acham que é nos gastos que está o ganho. Será magia negra?! Uuui!

pub
pub
pub
pub