Política Monetária BCE corta todas as taxas de juro e aumenta compras para 80 mil milhões

BCE corta todas as taxas de juro e aumenta compras para 80 mil milhões

Ao contrário do que era antecipado, a taxa de referência e a taxa de refinanciamento foram revistas em baixa. O BCE também cortou a taxa de depósitos, além de ter aumentado as compras de activos para 80 mil milhões de euros por mês.
André Tanque Jesus 10 de Março de 2016 às 12:49

O Banco Central Europeu (BCE) voltou a cortar a taxa de depósitos, desta feita para -0,40%. Mas não só. A institutição liderada por Mario Draghi (na foto) reviu em baixa também a taxa de referência e a taxa de refinanciamento. Passaram, respectivamente, para 0% e 0,25%. Além disso, anunciou já que as compras de activos serão aumentadas de 60 mil milhões para 80 mil milhões de euros por mês, nas quais passarão também a ser incluídas as obrigações de empresas.

Depois da desilusão que protagonizou em Dezembro, o Conselho do BCE desta vez optou por não deixar créditos em mãos alheias. Não surpreendeu ao anunciar um corte na taxa de depósitos – os analistas já anteviam que pudesse passar para -0,40% ou -0,50% -, mas deixou os investidores boquiabertos com a redução das outras duas taxas de juro. Nunca a taxa de referência havia estado tão baixa.

O espanto ficou patente nas reacções imediatas nos mercados. O euro, que passara a manhã a registar quedas ligeiras, passou imediatamente a afundar. Chegou a perder um máximo de 1,20%. Também os juros da dívida soberana na periferia da Zona Euro reagiram fortemente. A taxa das obrigações portuguesas a 10 anos chegou a afundar um máximo de 17,1 pontos base para 2,99%.

Desempenhos acentuados, numa quinta-feira em que o BCE inovou também por outra via. É que, até agora, os anúncios relativos às compras de activos haviam sido feitos apenas nas conferências de imprensa (a desta quinta-feira arranca às 13:30). Mas o comunicado inicial desta reunião anunciou também que o programa de compras seria aumentado para 80 mil milhões de euros por mês.

Uma decisão que também surpreendeu. As expectativas dos analistas apontavam para um aumento das compras de activos para 70 mil milhões ou 75 mil milhões de euros. Poucos acreditavam que a instituição liderada por Mario Draghi pudesse ir tão longe. Mas a verdade é que foi ainda mais. Isto porque o comunicado acrescenta que as obrigações em euros de empresas sediadas na Zona Euro passarão a fazer parte do programa.

Mais uma novidade, com a qual o BCE consegue afastar os receios de falta de títulos nos mercados. Além disso, cria mais espaço nos balanços dos bancos (grandes detentores de obrigações de empresas), de modo a poderem aumentar a concessão de crédito às famílias e às empresas. Nesse sentido, a instituição monetária anunciou ainda que irá lançar quatro novas rondas de empréstimos de longo prazo à banca condicionados ao financiamento da economia (TLTRO).


(Notícia actualizada às 13:10, com mais informação)




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado CLEAR 10.03.2016

Taxas de juros negativa, é agora que toda a banca tuga vai ao charco! E os loucos da bolsa continuam a comprar acções da banca, vai ser só enterrados!

comentários mais recentes
Anónimo 10.03.2016

No que ele se meteu para se tornar credivel.Que mais ira fazer?Quando se perda a graca torna-se doloroso para ser engracado.Meteu-se no caminho irrado,e agora tem de dar uma volta enorme para entrar no caminho certo.Com o navigatie nao teria entrado por caminhos errados.

nilson 10.03.2016

Estamos a caminho do enterro da europa

luis 10.03.2016

Estão desesperados...

nin 10.03.2016

As bolsas só sobem com estímulos. Mas o QE do BCE não vai resultar como o americano ou japonês, porque a UE não é um país. E mesmo no Japão não conseguem saír da estagnação. Estas políticas criam desigualdade, e não resolvem nada.

ver mais comentários
pub
Notícias Relacionadas
pub
pub
pub