Política Monetária BCE tomará "em breve" decisão sobre notas de 500 euros

BCE tomará "em breve" decisão sobre notas de 500 euros

O uso da mais alta denominação em euros em actividades ilegais e corrupção está a ser investigado pelas autoridades europeias. O organismo anti-fraude já aconselhou a sua retirada de circulação.
BCE tomará "em breve" decisão sobre notas de 500 euros
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 11 de fevereiro de 2016 às 11:27

O Banco Central Europeu (BCE), responsável pela emissão de divisas denominadas em euros, admite estar a analisar o futuro das notas de 500 euros – as de maior valor e que têm sido crescentemente associadas a actividades criminosas e lavagem de dinheiro.


A avaliação do destino destas notas foi assumida por Benoît Coeuré, membro da comissão executiva do BCE, em entrevista ao jornal Le Parisien, publicada esta quinta-feira 11 de Fevereiro e citada pela Reuters.


"As autoridades competentes vêm suspeitando de que [as notas] estão a ser usadas para fins ilegais, um argumento que já não podemos ignorar. (…) Estamos a analisar activamente este assunto e vamos tomar uma decisão em breve", assegurou Coeuré.


Segundo o responsável, o fim para que foi desenhada a nota – pagamentos de elevadas quantias – foi progressivamente substituído por transacções electrónicas, pondo em causa a existência da maior denominação física em euros. Contudo, assegurou que uma possível retirada de circulação da nota "nada tem a ver com política monetária".


No início de Fevereiro a Comissão Europeia formalizou o início de uma investigação para avaliar a relação entre a circulação destas notas e o financiamento de actividades ilícitas, além da introdução de medidas para garantir maior transparência na movimentação de fundos.

Uma semana antes, o organismo anti-fraude da União Europeia aconselhou a retirada da nota com maior valor facial dada a sua propensão para o seu uso em actividades ilegais e corrupção.


No final de 2015, as notas de 500 euros representavam 3% do total de notas em circulação. Contudo, em valor, representavam 28% do total de notas de euro nas mãos dos utilizadores.

Desde 2010 que as autoridades britânicas proibiram as casas de câmbio de aceitar a designação de 500 euros para troca. Na altura, segundo as autoridades, nove em cada dez notas de 500 euros eram utilizadas em actividades criminosas. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 11.02.2016

Estes decisores são uma KÁKA, em portugal , quem vai a sede do Banco de Portugal, vê filas de Islâmicos,Indianos e
outros , a trocar notas pequenas por 500, isto acontece ha anos E não é para porem debaixo do COLECHÃO, tudo
é possível nesta republica dos bananas.

pub
pub
pub
pub