Política Monetária Constâncio foi político, banqueiro e agora quer ser blogger "intelectual"

Constâncio foi político, banqueiro e agora quer ser blogger "intelectual"

Após mais de 40 anos entre cargos políticos e técnicos, Vítor Constâncio quer ser um "intelectual livre". E, por isso, vai seguir as pisadas de outros banqueiros centrais: vai criar um blogue.
Constâncio foi político, banqueiro e agora quer ser blogger "intelectual"
"Sempre tive a esperança de que teria a oportunidade de ser um intelectual livre", disse Constâncio ao FT.
Jasper Juinen/Bloomberg
Tiago Varzim 16 de maio de 2018 às 13:14
Daqui a duas semanas, Vítor Constâncio deixará de ser o vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), sendo substituído pelo ex-ministro espanhol Luis de Guindos. Mas o português que foi líder do Partido Socialista (PS) e governador do Banco de Portugal já tem o futuro traçado. Além de ir dar aulas em Madrid, vai criar um blogue de Economia onde será um "intelectual livre", disse Constâncio ao Financial Times esta quarta-feira.

Após oito anos no BCE, o socialista está de saída da carreira de banqueiro central e de político. Licenciado pelo ISEG em Economia, tendo já leccionado nessa mesma instituição, Constâncio vai dar aulas em Madrid em pós-graduações de Economia.

A vontade do português é mudar a forma como a disciplina é encarada: "A macroeconomia não é apenas um agregado de decisões individuais", disse ao FT, assinalando que "não deveríamos assumir que tudo se encaminha para um equilíbrio nos mercados competitivos".

O regresso à academia não o vai deixar completamente afastado da esfera pública. Tal como já fizeram outros ex-banqueiros centrais, Vítor Constâncio vai criar um blogue de Economia. "Sempre tive a esperança de que teria a oportunidade de ser um intelectual livre", confessou. E foi mais longe: "Na minha carreira, nunca tive esse luxo".

Constâncio segue assim os passos, por exemplo, do ex-presidente da Reserva Federal, Ben Bernanke, que criou um blogue após ter saído da Fed em 2014. 

Constâncio pouco confiante com aprofundamento da Zona Euro

Na última entrevista antes de sair do panorama europeu, Vítor Constâncio considera que os países do Sul mais afectados pela crise fizeram "grandes ajustamentos" a todos os níveis e que o bloco dos países da moeda única deve aproveitar este momento económico positivo para fazer avanços na sua estrutura. 

Para Vítor Constâncio, países como Portugal, Espanha, Grécia ou Irlanda já reduziram "suficientemente" os riscos e, por isso, "justifica-se" a criação de instrumentos comuns de partilha de risco na Zona Euro, nomeadamente o completar da União Bancária. 

Mas o ainda vice-presidente do BCE está pouco confiante de que isso venha a acontecer. Constâncio antecipa que só deverão existir "algum tipo de promessas de longo prazo" na próxima cimeira de Junho onde os temas de aprofundamento da União Económica e Monetária serão discutidos entre os líderes europeus. 

"Espero estar errado, mas infelizmente não espero grande coisa vinda da próxima cimeira", confessou, referindo que, uma vez que a economia europeia está num bom caminho, isso "reduz sempre a motivação dos Governos para tomarem decisões ousadas".

A principal preocupação do BCE é que, sem reformas na Zona Euro, voltará a ser chamado a actuar numa próxima crise e que, nessa altura, terá poucas armas para lutar contra uma futura recessão através dos instrumentos tradicionais.



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo Há 1 semana

A JP Morgan vai contratar talento especializado em áreas emergentes com procura, obviamente. Esse talento especializado faz parte do processo de automação em curso e não representará número superior a 5000 novos colaboradores. Mas vai fazê-lo depois de ter despedido 17000 excedentários no passado recente. A tendência internacional é despedir quase 3 vezes mais do que aquilo que se contrata para automatizar. https://www.reuters.com/article/us-jpmorgan-jobs/jpmorgan-to-cut-up-to-17000-jobs-by-end-of-2014-idUSBRE91P0GX20130227

comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

Dada a incompetência demonstrada enquanto governador do BDP nas crises do BPN e BPP, este sr. vai ser o nosso cavalo de Tróia em Espanha, pra ver se a economia deles não cresce consecutivamente mais depressa que a de Portugal.

Aí pobres alunos. Até já estou com pena deles.

Anónimo Há 1 semana

Admira-me muito esse grande genio nao ter sido convidado por grandes instituicoes internacionais como o Gaspar, o Barroso, a Maria Luiz, o Alvaro S. Pereira. E` S......talvez o Guterres lhe arrange la` um tacho na ONU.

RE: MAIS VOTADO Anónimo Há 1 semana

Acabo de pôr um "like" no teu Comentário não propriamente por estar de acordo com a tua campanha para a liberalização total do Mercado de Trabalho, mas, não obstante tal, por pensar que os Teus Comentários têm nível e, concorde-se ou não com eles, são sempre úteis num fórum em que haja, com nível mínimo, liberdade de expressão.
È assim que se fornece contributo válido para o funcionamento da Democracia

Anónimo Há 1 semana

prendam este homem quanto antes!!!!

ver mais comentários
pub