Política António Costa indiferente a sondagens sobre eleições que o país não vai ter  

António Costa indiferente a sondagens sobre eleições que o país não vai ter  

O primeiro-ministro, António Costa, escusou-se a comentar uma sondagem hoje publicada segundo a qual o PS venceria as eleições legislativas, sustentando que essas eleições não vão ter lugar agora, mas apenas daqui a três anos.
António Costa indiferente a sondagens sobre eleições que o país não vai ter  
Lusa 17 de setembro de 2016 às 11:56

"Não vou comentar sondagens, sobretudo relativamente a eleições que não vamos ter. Nós temos felizmente hoje uma situação politicamente estabilizada no país, o ciclo eleitoral a nível nacional encerrou-se com a eleição do senhor Presidente da República, e agora as únicas eleições que temos em agenda são as eleições regionais nos Açores, muito brevemente, e daqui a um ano eleições autárquicas", apontou, em declarações em Viena, à saída de um encontro bilateral com o chanceler austríaco, Christian Kern.

 

Segundo Costa, "as eleições legislativas é um assunto para daqui a três anos, e até lá muita água há de correr por baixo da ponte, muitas sondagens hão de aparecer", e será então nessa altura que olhará para as sondagens.

 

Até lá, sustentou, o Governo vai fazer aquilo que lhe compete, que é "governar e aproveitar esta estabilidade que hoje existe", fruto de "uma maioria parlamentar que funciona, que tem um programa que está a cumprir", de haver "uma relação institucional com o Presidente da República não só normal como frutuosa", de haver "uma autonomia do poder judicial respeitada, autonomia do poder regional respeitada e reposta a normalidade do relacionamento com as autarquias locais".

 

"Portanto, o país tem regressado à normalidade, como simbolicamente pudemos verificar esta semana com a tranquilidade com que abriu o ano letivo e é nisso que nos devemos concentrar", concluiu.

 

Uma consulta da Eurosondagem para o Expresso e SIC aponta que se as eleições fossem hoje os socialistas seriam os vencedores (com 36%), deixando os sociais-democratas a quase quatro pontos de distância (com 32,1%).




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Ciifrão 17.09.2016

Indiferente a fingir, mesmo que se manifestasse não poderia embandeirar muito que a diferença é curta.

comentários mais recentes
Chamucas 17.09.2016

Este ghandi anda em pontas de pregos tal e qual um feirante de circo. 2016 com muito excel ainda te safas, em 2017 com as taxas de juro a subir e uma economia estagnada vais guinchar

Juiz Alexandre 17.09.2016

Maldito Costa usurpador!! .. tanto trabalhinho que tive em meter o Sócrates para levar a PAF ao colo para o poder ... e este banddalho usurpa o poleiro com uma geringonça de esquerda !!

Juca 17.09.2016

Oh Costa, se queres manter o tacho com as respectivas mordomias, não vás na cantiga das sondagens, porque dás um grande trambolhão se fores para eleições.

Anónimo 17.09.2016

Alberto Neves das 13:37, pois isso é o unico que o preocupa ,porque não faz habilidade nenhuma , passar de 3% (empurrando tudo com a barriga, não pagando nem aos hospitais aumentando a divida etc) para 2,5%...

ver mais comentários
pub