Política Até Marisa Matias o diz: Cartaz do BE com imagem de Jesus "foi um erro"

Até Marisa Matias o diz: Cartaz do BE com imagem de Jesus "foi um erro"

O polémico cartaz criado pelo Bloco de Esquerda com a imagem de Jesus Cristo para marcar a aprovação da adopção por casais homossexuais tornou-se viral esta sexta-feira. As críticas não demoraram e chegam até de dentro do partido.
Até Marisa Matias o diz: Cartaz do BE com imagem de Jesus "foi um erro"
Liliana Borges 26 de fevereiro de 2016 às 21:44

"Acho que saiu ao lado da intenção que se pretendia. Que foi um erro". É assim que a bloquista Marisa Matias responde quando questionada sobre a decisão do Bloco de Esquerda de utilizar uma imagem de Jesus Cristo numa campanha para marcar a aprovação da adopção por casais do mesmo sexo pelo Parlamento, a 10 de Fevereiro. A candidata do Bloco de Esquerda, que conquistou o terceiro lugar na corrida a Belém, admitiu na sua página do Facebook que a campanha não foi bem conseguida.

Também fora do partido as críticas não se fizeram esperar e são menos condescendentes. E já existe uma petição a exigir um pedido de desculpas do partido.

"Atitude infantil", diz deputado do PS

A imagem começou a circular nas redes sociais ainda durante a noite de quinta-feira e logo surgiram as primeiras reacções. No formato original, "Jesus também tinha dois pais - Parlamento termina descriminação na lei da adopção" num fundo cor-de-rosa, com a imagem da figura de Jesus Cristo ao lado, é a causa da indignação da Igreja Católica portuguesa e de alguns partidos, nomeadamente do PSD e do CDS, que já condenaram publicamente a decisão do Bloco. Durante esta sexta-feira, a imagem tornou-se viral e multiplicou-se nas redes sociais, com várias adaptações pelos internautas.



#cartazesBE
o melhor de todos: pic.twitter.com/OxN93UZVfq

— Vasco Guimarães (@vascobguimaraes) February 26, 2016

Para o cardeal patriarca de Lisboa, "utilizar o nome de Jesus ou a figura de Jesus para dizer outra coisa é uma mentira que desqualifica quem a propaga". "Com certeza que Jesus sempre se referiu a Deus como seu pai, mas tinha uma mãe, que era Maria, casada com José, que adoptou Jesus", explicou o cardeal D. Manuel Clemente à Lusa. 


O Partido Socialista ainda não se manifestou oficialmente, mas o Expresso cita o deputado socialista Eurico Brilhante Dias, que votou a favor da aprovação da medida, mas que considera este cartaz uma "atitude infantil", que peca por "só dividir em vez de somar". 

BE recua. Cartaz afinal não vai para a rua

Entretanto, o Bloco de Esquerda (BE) sublinhou em comunicado que "respeita todas as convicções religiosas" e recuou na decisão anunciada na quinta-feira, afirmando que o cartaz não irá para as ruas. "Não se trata de um cartaz, mas da forma de, nas redes sociais, com recurso ao humor, chamar a atenção para a conquista da igualdade entre todas as famílias", justifica o partido, garantindo que a imagem se destina apenas às redes sociais.


No mesmo documento, o BE esclarece que foi colocado um cartaz, menos polémico, na zona do Campo Pequeno, em Lisboa, onde se pode ler a palavra "Igualdade", com diferentes tipos de famílias representados de uma forma gráfica. "E
sse é o único cartaz que o Bloco imprimiu e que afixará publicamente", esclarece o BE.

"Com esta iniciativa, pretendeu contribuir, como sempre fez, para, sem tabus, provocar o debate e, neste contexto, assinalar mais um avanço no respeito pela dignidade das pessoas e por todas as famílias", conta o Bloco de Esquerda. "Estamos certos de encontrar, entre crentes e não crentes, uma grande maioria que partilha connosco esta motivação", conclui o comunicado.

Apesar da polémica e das críticas, quer dentro quer fora do partido, a deputada do Bloco presente no lançamento da campanha afasta a ideia de que tenha sido "um tiro no pé". Sandra Cunha preferiu destacar que esta é "uma forma de se debater o assunto, de trazer a discussão à sociedade, de trazer visibilidade e de consagrar na sociedade, na discussão quotidiana este direito".

"Não tememos que esta polémica retire o foco. As famílias têm agora este direito consagrado na lei, é importante que se desconstruam preconceitos, que se traga visibilidade a estas famílias. Penso que é isso que está a conseguir com a campanha do BE", defendeu.




A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Money Maker 26.02.2016

Perdoa-lhes Pai, porque são uns bichos.

comentários mais recentes
. 29.02.2016

.

É INDISPENSÁVEL UM PEDIDO DE DESCULPAS PÚBLICO 29.02.2016

Completamente desnecessário, cara CATARINA MARTINS.
Desnecessário e indesculpável, pelo q um pedido de desculpas só poderá ser a opção certa, ou seja, não basta reconhecer que foi um erro.
Cautela com o esticar a corda ...
Não se pode perder de vista que vivemos num país predominantemente católico.

Uma vergonha 27.02.2016

Estes brochist.as . . . .

Minnie Koch 27.02.2016

O Bloco de esquerda é uma anedota. Só querem tachos nada mais. Bando de otários.

ver mais comentários
pub