Política Barómetro: PS distancia-se do PSD

Barómetro: PS distancia-se do PSD

No barómetro de Julho referente às intenções de voto, realizada pela Aximage para o Negócios e Correio da Manhã, o PS chega aos 39%. O PSD continua a cair.
Barómetro: PS distancia-se do PSD
Alexandra Machado 24 de julho de 2016 às 18:53
Em Julho, a distância nas intenções de voto entre o PS e o PSD aumentou. Têm já 8,5 pontos percentuais a separá-los. O PS continua a subir nessas mesmas intenções, enquanto o PSD continua a cair.

No barómetro de Julho, realizado pela Aximage, para o Negócios e Correio da Manhã, a distância pronunciou-se. Se as eleições legislativas fossem agora, o PS atingiria os 39%, a marca mais elevada do último ano. E que soma 6,5 pontos face ao nível mais baixo do último ano, que foi registado precisamente no mês das eleições legislativas de Outubro de 2015. 

Se esta é a melhor marca dos socialistas do último ano é também a pior que o PSD regista. As intenções de voto no partido liderado por Passos Coelho é, no barómetro de Julho, de 30,5%, uma queda de 1,6 pontos face ao mês anterior, mas que atinge os 5,7 pontos face ao pico social-democrata no último ano registado em Janeiro deste ano.

Associado ao CDS-PP, com quem concorreu nas últimas eleições, a coligação obteria 35,4%, menos que os 36,86% conseguidos nas eleições de 2015. O CDS-PP subiu ligeiramente nas intenções de voto, passando para 4,9%. 

À esquerda, o PS e o Bloco estão perto de conseguir a maioria, sem o PCP. O Bloco obteve 10% nas intenções de voto (perdendo 0,2 pontos), o que dá aos dois partidos 49%. Ao contrário do Bloco, a CDU ganhou nas intenções de voto face ao mês de Junho, atingindo os 6,8%. Os três partidos da esquerda, que compõem a já designada "geringonça", atingem 55,8%. Nas eleições de 2015, os três partidos obtiveram 50,76% dos votos. 

Boa opinião do Governo

No barómetro de Julho, quando questionados sobre as expectativas do Governo, a maioria considera que está a actuar de acordo com o esperado. Mas há 31,5% dos inquiridos - um universo de 606 entrevistas - que dizem estar a governar melhor do que as expectativas. 14,8% já consideram que está pior do que esperava. 

Mas no índice de expectativa (varia entre -100 e 100) nunca o Governo de António Costa teve um valor tão elevado. Atingiu o índice de 43, ultrapassando o valor de Janeiro, altura em que tinha estabelecido o máximo nos 42. O ponto mínimo aconteceu no mês seguinte, com 19, mas desde então tinha invertido a tendência e registou subidas mês após mês. 

Costa é o melhor líder

António Costa já tinha em Maio deste ano ultrapassado Assunção Cristas na consideração do melhor líder partidário. E aí se manteve, no topo, nos dois meses subsequentes. Em Julho, atinge 13,7 pontos na avaliação e mantém-se o líder com melhor avaliação. Assunção Cristas não só perdeu a liderança para António Costa, desde Maio, como perdeu a vice-liderança para Catarina Martins que consegue, no barómetro de Julho, uma nota de 11,7 valores. Cristas está, agora, com 10,5 valores, menos 2,6 do que o máximo atingido em Abril, quando era a líder partidária com mais valores. Foi no mês de Abril, logo após ter sido eleita para liderar o CDS-PP, em Março.

Cristas em queda fica, assim, perto de Jerónimo de Sousa que teve, em Julho, 10,3 valores, acima da linha de água.

Com valores negativos continua Pedro Passos Coelho. Obteve em Julho 6,5 pontos, menos 0,2 do que no mês anterior. O único mês que Passos Coelho esteve com valores positivos foi em Janeiro.

Face a estes valores de avaliação dos líderes não é surpresa que António Costa seja indicado como sendo o de maior confiança para primeiro-ministro. O nível de confiança é de 56,8%, o valor mais alto do último ano. As linhas de António Costa e de Passos Coelho evoluem inversamente. Só 31,6% indicam agora ser Passos Coelho o líder em quem mais confiam para chefe do Executivo. É o valor mais baixo do último ano.

Brandão Rodrigues: ou se ama ou se odeia

Tiago Brandão Rodrigues é um caso de extremos. No barómetro de Julho da Aximage, o ministro da Educação foi o que obteve mais pontos como melhor ministro, mas também foi considerado o pior ministro. 

Quase a mesma tendência acontece com o titular da pasta das Finanças. É considerado o segundo melhor ministro, mas Mário Centeno é apontado como o segundo pior ministro. É também um caso considerado bom e mau ministro. Mas uma coisa é certa. Mário Centeno é o ministro com maior notoriedade espontânea, a grande distância de Tiago Brandão Rodrigues.

Na terceira posição da melhor avaliação surge o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

Marcelo em alta

No barómetro de Julho foi também analisada a actuação do Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa tem uma avaliação muito boa: 18,9 valores, números que nunca Cavaco Silva esteve perto. O ex-Presidente acabou o seu mandato com pontos negativos: 6,5 valores. Marcelo desde que chegou à Presidência nunca esteve abaixo dos 18 valores (de 0 a 20), atingindo em Julho o valor mais elevado.

Não apenas recebe uma avaliação perto do "excelente", como 91% dos inquiridos dizem que o Presidente tem actuado "bem". 4,8% dizem que a sua actuação tem sido "assim-assim" e 3,1% consideram que tem estado "mal".

Ficha técnica
Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.
Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 606 entrevistas efectivas: 284 a homens e 322 a mulheres; 53 no Interior Norte Centro, 77 no Litoral Norte, 109 na Área Metropolitana do Porto, 119 no Litoral Centro, 170 na Área Metropolitana de Lisboa e 78 no Sul e Ilhas; 110 em aldeias, 157 em vilas e 339 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.
Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 15 a 17 de Julho de 2016, com uma taxa de resposta de 81,9%.
Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 606 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" - a 95% - de 4,00%).
Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.





A sua opinião112
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Gonçalo Taipa Teixeira 24.07.2016

Esta malta merece tudo o que aí vem. Só tenho pena que me imponham as suas escolhas e me arrastem para baixo com eles. :(

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Olhando para as noticias , até custa a crer , mas sem dúvida somos um povo de analfabetos e subsidiodependentes.Quando a mama acabar é que vai ser !!!Espero que o PSD e CDS não queiram voltar a linmpar a mertola que os outros fazem,

miguel almeida 26.07.2016

Vivemos a era das marteladas, desde contas públicas e, agora até às sondagens. O Povo come toda a mostarda que se lhe dá.

Anónimo 25.07.2016

Passos nunca mais! Foi pior que o salazar!
Por causa dele e das suas políticas é que eu estou a trabalhar na Alemanha...era Prof. do 1º Ciclo em Portugal, aqui trabalho na construção de superyachts de milionários... (grande revira volta...)

O PS é o maior 25.07.2016

A seguir ao Benfica claro.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub