Política Bloco diz que Cavaco Silva indigita Passos por responder a "costela de direita"

Bloco diz que Cavaco Silva indigita Passos por responder a "costela de direita"

Pedro Filipe Soares acusou o Presidente da República de apoiar Passos Coelho e Paulo Portas e de não ter ouvido o que lhe foi dito pelos diferentes partidos nas audições que decorreram durante a semana.
Bloco diz que Cavaco Silva indigita Passos por responder a "costela de direita"
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 22 de outubro de 2015 às 20:44

O Bloco de Esquerda considera que o Presidente da República optou por indigitar Pedro Passos Coelho como primeiro-ministro, respondendo à sua "costela de direita" e não fazendo uma leitura dos resultados.


"O Presidente da República [falou] quase como comentador de direita", disse Pedro Filipe Soares nas declarações aos jornalistas depois de o Chefe de Estado ter anunciado, esta quinta-feira 22 de Outubro, a indigitação de Passos Coelho como primeiro-ministro do próximo Governo.

 

O ataque ao partido do Presidente da República foi repetido: para o deputado bloquista, Cavaco Silva tinha sido mais "responsável" se não tivesse feito o País "perder tempo" e se "não estivesse dependente da sua costela de direita".

 

Para o BE, o PSD e o CDS "perderam a maioria, perderam a legitimidade". "Só os Presidente da República é que os quer salvar", acusou o deputado bloquista. 

 

Pedro Filipe Soares diz que Cavaco Silva tomou uma decisão que "ignora totalmente as audições que existiram juntos dos partidos políticos". O Bloco já disse que não irá viabilizar um Executivo liderado por Pedro Passos Coelho e Paulo Portas. "Dissemos ao Presidente da República que não fazia sentido perder tempo ao indigitar Passos Coelho", mas, repetiu Pedro Filipe Soares, Cavaco Silva quis "dar azo ao seu apoio" aos dois políticos.

 

Acordo em segredo

O Bloco de Esquerda mantém o acordo que o une ao PS – que os partidos consideram a alternativa possível ao Executivo da Coligação à Frente – escondido.

"Temos dito, ao longo das semanas, que estamos em negociações e as negociações fazem-se à mesa, não faz sentido estar a avança-lo publicamente", justificou-se Pedro Filipe Soares. 

 




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
José Piedade Há 2 semanas

Tacho com 2% de eleitorado, nem á pega da tampa tens direito!

Lénia Curie Santos Há 2 semanas

Deves estar a repetir a cassete. Será que também que um tachito?

Miguel Santos Há 2 semanas

Ah!ah!ah! Adeus direitolas tomem Rennie para a azia!!! Vamos ter um governo de esquerda!!! Loooooollllll aziaaaaaaaaaa!!!!!!! Indigitar o PR pode indigitar que a esquerda logo de seguida manda abaixo e acaba com o sofrimento dos direitolas!!!Aziaaaaaa!!!!

Salomao Figueiredo Há 2 semanas

https://dre.pt/application/conteudo/70748601

ver mais comentários
pub