Política Caso Robles tira votos ao Bloco de Esquerda. PSD dá trambolhão

Caso Robles tira votos ao Bloco de Esquerda. PSD dá trambolhão

As intenções de voto no Bloco de Esquerda caíram para 7,8%, depois de o verão ter ficado marcado pelo caso Robles. Esta queda não é única nesta rentrée: também o PSD perde votos. CDS dispara e passa a terceira força política.
Caso Robles tira votos ao Bloco de Esquerda. PSD dá trambolhão
Lusa
Susana Paula 06 de setembro de 2018 às 07:15
O partido liderado por Catarina Martins sofreu uma queda significa nas intenções de voto nas eleições legislativas, caindo quase dois pontos para 7,8%, revela o barómetro político da Aximage para o Negócios e o Correio da Manhã.

A queda do BE acontece depois do caso Robles, que marcou este Verão. O Jornal Económico revelou que o vereador – crítico da especulação imobiliária e da pressão do alojamento local sobre a habitação em Lisboa (bandeiras do partido) – era proprietário de um imóvel que tinha tido uma enorme valorização e que estava a ser "vendido" como um bom investimento para alojamento local. Ricardo Robles acabou por se demitir e o partido acabou por reconhecer o seu erro pela forma como tinha gerido o processo. Porém, a avaliar pelos números da Aximage, isso não terá sido suficiente para evitar uma forte penalização do eleitorado.


A queda do BE não é a única a marcar a rentrée. Segundo a sondagem da Aximage, o PSD também cai de forma abrupta nas intenções de voto, passando de 27,2% em Julho para 24,1% em Setembro. Esta descida acontece depois de críticas à liderança de Rui Rio nos meses de verão, mas também depois de Pedro Santana Lopes (que disputou a liderança com Rio) ter anunciado a criação de um novo partido.

Ao mesmo tempo que as intenções de voto no PSD descem, sobem as preferências dos votantes no CDS. Em Setembro, 9,2% dos votantes inquiridos pela Aximage dariam o seu voto legislativo ao partido de Assunção Cristas. Além disso, o CDS consegue ultrapassar o BE e passa a ser o terceiro partido com assento parlamentar com mais intenções de voto em Setembro. A Aximage regista ainda uma subida da votação nos outros partidos, o que poderá ser um reflexo do novo partido de Santana. 

O PS consegue reforçar as intenções de voto para 39,9%. Este valor é superior ao registado no último Barómetro político da Aximage (39%), mas ainda fica aquém dos 43% registados há um ano e longe da maioria absoluta. A CDU (coligação que junta PCP e Verdes) mantém-se relativamente inalterada. 

Ficha Técnica

Universo indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel. Amostra aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 603 entrevistas efectivas: 281 a homens e 322 a mulheres; 55 no Interior Norte Centro, 92 Litoral Norte, 102 na Área Metropolitana do Porto; 112 no Litoral Centro; 164 na Área Metropolitana de Lisboa e 78 no Sul e Ilhas; 103 em aldeias, 162 em vilas e 338 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral. Técnica Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 1 e 2 de Setembro de 2018, com uma taxa de resposta de 81,9%. Erro probabilístico Para o total de uma amostra aleatória simples com 603 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" - a 95% - de 4,00%). Responsabilidade do estudo Aximage Comunicação e imagem Lda, sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.




pub