Política César quer PS em defesa do "serviço público" na reestruturação da rede de balcões

César quer PS em defesa do "serviço público" na reestruturação da rede de balcões

O líder parlamentar do PS pediu hoje aos deputados socialistas que defendam o "serviço público" no processo de reestruturação da rede de agências da CGD, alegando que não se pode "assobiar para o ar" nesta matéria.
César quer PS em defesa do "serviço público" na reestruturação da rede de balcões
Lusa 20 de março de 2017 às 13:56

Esta posição de Carlos César, também presidente do PS, consta de uma nota esta manhã enviada aos membros da direcção da bancada socialistas, à qual a agência Lusa teve acesso, na qual também se salienta que essa linha activa de actuação deve ser seguida mesmo que o Governo não dê qualquer orientação.

 

No âmbito do processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), a administração do banco público deverá encerrar cerca de 70 balcões até ao final do ano, estimando-se que a redução de agências atinja as 180 no final de 2020 - uma reestruturação que tem levantado dúvidas ao PCP, Bloco de Esquerda e "Os Verdes" e que conta já com a oposição do PSD.

 

Na nota enviada aos membros da direcção da bancada do PS, Carlos César refere que, numa próxima audição parlamentar sobre este assunto, o Grupo Parlamentar "deve defender que não é num caso de milhares de milhões de euros que se admite o fecho de um único balcão por concelho, onde podem estar dois funcionários e com limitação de prestação de serviços".

 

"Não se trata de intromissão em matéria de gestão, mas sim de intervenção em matéria de serviço público", sustenta o presidente do PS.

 

Neste ponto, Carlos César admite mesmo uma diferenciação face o executivo em matéria de intervenção política.

 

"Se pode ser admissível que o Governo, apesar de accionista único, não queira dar orientação, têm razão os que acham que o parlamento não deve assobiar para o ar. Assim, salvo decisão, na primeira oportunidade, em contrário, da direcção ou do grupo, é esta a orientação que vai vigorando", salienta o presidente da bancada socialista na sua missiva.

 

O encerramento de balcões da CGD, bem como a redução do número de trabalhadores, levou o Bloco de Esquerda a pedir uma audição urgente do ministro das Finanças, Mário Centeno, no parlamento.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Banda dus Xuxxarelas no seu melhor 20.03.2017

Conversa da treta para distrair a malta.

pertinaz 20.03.2017

ESTES XUXAS NÃO PASSAM DE UNS DITADORES DE PACOTILHA !!!

CARREGA PASSOS !!!

Juca 20.03.2017

É assim mesmo. Há que arranjar tachada para os xuxalistas espalhados por esse país.

pub