Política CGTP promete participar no novo ciclo político apesar de não ser partido

CGTP promete participar no novo ciclo político apesar de não ser partido

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, considerou hoje que o país vive um novo ciclo político desafiante no qual a Inter pretende participar, apesar de não ser um partido político, mas tomando o partido dos trabalhadores.  
CGTP promete participar no novo ciclo político apesar de não ser partido
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 27 de fevereiro de 2016 às 21:58

"Vivemos um novo ciclo que implica desafios aos quais nunca fugimos e a que nunca iremos fugir. Tudo faremos para rentabilizar a favor dos trabalhadores. E é porque houve uma inversão nos cortes dos salários, dos direitos, que a direita está preocupada, não só porque se estão a tentar construir soluções alternativas, mas porque quando esteve no poder tapou uma série de coisas que agora estão a saltar e a vir ao de cima", disse Arménio Carlos.

 

Numa intervenção proferida na sessão de encerramento do XIII Congresso da CGTP, que hoje terminou em Almada, o sindicalista teceu fortes críticas ao anterior Governo PSD/CDS - à semelhança do que fez no discurso de abertura da reunião magna -, pelas políticas de austeridade aplicadas nos últimos quatro anos.

 

"O projecto da direita não era para trazer democracia a Portugal, era para derrotar os valores de Abril", frisou Arménio Carlos, assinalando que, perante o novo quadro político, a CGTP necessita de ir para a discussão e de apresentar as suas propostas.

 

O secretário-geral da CGTP salientou que a Central tem uma agenda política, apesar de não ser um partido político, lembrando o programa de ação para o próximo quadriénio hoje aprovado pelo Congresso e que agora pretende negociar, quer seja com partidos políticos, com o Governo ou com as confederações patronais.

 

"Não somos um partido, mas a CGTP toma partido ao lado dos trabalhadores da administração pública, dos desempregados, a CGTP toma o partido daqueles que já estiveram no ativo e hoje estão reformados, e toma partido e sempre tomará partido ao lado dos jovens e das novas gerações, e é com eles que temos de construir as alternativas", afirmou o dirigente sindical, sob fortes aplausos dos delegados presentes no Congresso.

 

O secretário-geral da Inter considerou que o momento atual é importante "porque do ponto de vista político, há aqui um salto qualitativo".

 

Enalteceu, a propósito, "as propostas e promessas" apresentadas pelo PS, Bloco de Esquerda, PCP e Os Verdes, no âmbito do acordo assinado para a formação de um Governo de esquerda.

Mas "mais importante é que as promessas que fizeram estão a ser cumpridas e isto é muito importante, porque também aqui há um salto em frente, há aqui um sinal positivo, mas que implica responsabilidades para todos sem exceção", quer seja para a maioria na Assembleia da República, quer para o movimento sindical, declarou.

 

"Ser reivindicativo é um princípio fundamental de qualquer sindicato. Quando um sindicato deixar de ser reivindicativo não há razão para existir. Sermos reivindicativos hoje não implica termos uma intervenção rigorosamente idêntica àquela que tínhamos com o PSD/CDS", referiu ainda Arménio Carlos.

 

E acrescentou: "Sim, vamos ser reivindicativos, não é para destruir, é para construir e evitar que a direita chegue ao poder".

 

Arménio Carlos salientou ainda a necessidade de a Constituição da República continuar a ser uma referência para todos e continuar a ser respeitada, ao contrário do que considerou ter sido a prática do anterior Governo e do Presidente da República: "É preciso que o novo Presidente da República salvaguarde os princípios constitucionais".

 

O responsável encerrou o XIII Congresso da central sindical com uma intervenção de mais de meia hora, feita de improviso, porque não teve tempo de escrever o discurso, mas que não esqueceu as principais questões da atualidade e os princípios estratégicos discutidos e aprovados na reunião magna.

 

Salientou, nomeadamente, a Campanha de Combate à Precariedade que foi aprovada no congresso e a intensificação do trabalho sindical nos locais de trabalho para ajudar os trabalhadores a exercerem os seus direitos.

 

"Alguém disse que os dirigentes da CGTP iam entrar de férias. Se dúvidas existissem, aqui está o caderno de encargos", concluiu.

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedro Guerreiro 28.02.2016

Os Comunistas da CGTP são o cancro da Economia Portuguesa.

Anónimo 28.02.2016

QUANDO UM DEBIL SE TORNA PRESA FACIL.

Anónimo 28.02.2016

Ao ponto triste que este governo chegou.Criou semelhante esperanca aos armenios que eles agora ate se oferecem para serem CAES de guarda dum governo a deriva.Que mais se pode esperar do deficit,tone de rans e os outros 16 desaparecidos da realidade.

pub
pub
pub
pub