Política Costa: "Orçamento estava melhor antes da intervenção da Comissão"

Costa: "Orçamento estava melhor antes da intervenção da Comissão"

O primeiro-ministro e secretário-geral do PS, António Costa, classificou hoje de "absolutamente lamentável" a atitude de PSD e CDS ao longo das negociações com a Comissão Europeia no âmbito do Orçamento do Estado para 2016.
Costa: "Orçamento estava melhor antes da intervenção da Comissão"
Erid Vidal/Reuters
Lusa 06 de fevereiro de 2016 às 19:13

"Quanto ao PSD e ao CDS acho que a atitude foi absolutamente lamentável. Porque havendo uma negociação entre Portugal e a União Europeia só temos um lado onde estar, que é do lado de Portugal, não temos outro lado onde precisemos de estar", declarou António Costa numa sessão de esclarecimento do PS sobre o Orçamento do Estado para 2016, que decorreu no Porto.

 

Sobre as negociações com a Comissão Europeia, o primeiro-ministro realçou que foi possível "fazer esta discussão, salvaguardando aquilo que eram os compromissos fundamentais com os portugueses e todos os compromissos com os parceiros parlamentares", mas deixou a ressalva: "Se me pergunta se o orçamento estava melhor antes da intervenção da Comissão, ai isso estava".

 

"Acho que as divergências sobre os quadros de previsão são, aliás, tradicionais acontecerem e, no caso concreto, tiveram muito a ver com um facto essencial: as primeiras previsões surgiram sem ter em conta as medidas de crescimento que resultavam e estavam previstas no orçamento, enquanto as previsões que estavam no orçamento tinham em conta as medidas que induziam o crescimento e que constavam do próprio orçamento", disse o secretário-geral socialista perante uma plateia que incluía a secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes, o ministro Matos Fernandes e vários autarcas do distrito.

 

António Costa acrescentou que "houve um segundo tipo de divergências que teve a ver com a forma como são classificadas determinadas despesas, sendo elas estruturais ou não sendo elas estruturais, e aquilo que ficou manifesto nesta discussão é que a Comissão Europeia, ou porque alguém a convenceu disso ou porque se enganou a ela própria, julgou serem definitivas medidas que sempre foram apresentadas a Portugal como sendo medidas de natureza temporária".

 

"A sobretaxa é o caso mais evidente, porque, como todos nos recordamos, ainda em Setembro, a então ministra das Finanças e o então primeiro-ministro se propunham a devolver, já no ano passado, a sobretaxa paga no ano passado em função da excelência da execução orçamental. Ora, a Comissão Europeia afinal o que tinha lá registado é que os cortes eram para sempre e que a sobretaxa também tinha vindo para ficar para sempre", disse o governante.

 

A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Cardosao 07.02.2016

Este pseudo orçamento já se sabe que é esperado ansiosamente por Bruxelas,pois a rapaziada já hà muito tempo que não recebia para divertimento um livro de anedotas.

comentários mais recentes
Anónimo 08.02.2016

Pois é! Mas agora estes aumentos que aí vêm, estes sim, são justos.

nuno 07.02.2016

O orçamento estava muito melhor.
Aumentava o défice em vez de diminuir, e consequentemente aumentava ainda mais a dívida pública, porque défice de um ano é dívida do outro.

Anónimo 07.02.2016

Oh tadinho do crocodilo... a Comissão é que estragou o orçamento ele não sabia as regras para a elaboração do orçamento, não, ele até suponho que o déficit era assim uma coisa mais ou menos. Agora que que as pessoas andem de transportes públicos, não tarda vem o Abrunhosa com uma cantiga dedicada aos elétricos.

Cardosao 07.02.2016

Este pseudo orçamento já se sabe que é esperado ansiosamente por Bruxelas,pois a rapaziada já hà muito tempo que não recebia para divertimento um livro de anedotas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
}
pub