Política Costa diz não ficar descansado com as "boas notícias" e que se tem de "pedalar mais"

Costa diz não ficar descansado com as "boas notícias" e que se tem de "pedalar mais"

O primeiro-ministro, António Costa, disse esta sexta-feira que "as boas notícias" sobre a economia portuguesa não o fazem "ficar descansado" porque "se a bicicleta está a andar" tem de se "continuar a pedalar".
Costa diz não ficar descansado com as "boas notícias" e que se tem de "pedalar mais"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 19 de maio de 2017 às 22:37

"O país tem tido felizmente nos últimos tempos boas notícias em matéria de evolução da sua situação económica. Neste primeiro trimestre do ano crescemos como há muito tempo não crescíamos. Tivemos o défice mais baixo desde que somos um país democrático. Mas não podemos ficar descansados. Temos de encontrar ânimo acrescido para fazer mais e melhor. Se a bicicleta está a andar, nós temos de continuar a pedalar para ela continuar a andar", disse.

 

António Costa, que falava em Gondomar na cerimónia de lançamento da primeira pedra do interceptor do rio Tinto afirmou que para Portugal continuar a crescer, o país tem de aumentar o investimento dando condições ao investimento privado e acompanhando-o de investimento público.

 

"Por isso, demos prioridade à execução dos fundos comunitários", disse António Costa, enumerando de seguida os "investimentos de qualidade" que disse ter testemunhado hoje ao longo do dia num programa que teve início em Vila Nova de Gaia e terminou em Gondomar, com passagens pela Maia, Lousada e Porto.

 

O primeiro-ministro também se confessou "um férreo defensor da descentralização", considerando-a "a pedra angular de uma verdadeira reforma do Estado".

 

"Quem está mais próximo das pessoas e mais próximo dos problemas tem uma maior capacidade de resolver os problemas do que quem está à distância. Ao Estado o que é do Estado, aos municípios o que é dos municípios, às freguesias, o que é das freguesias", defendeu o primeiro-ministro num local onde assinalava o lançamento de um projecto que é partilhado pelos concelhos de Gondomar e Porto, num investimento superior a nove milhões de euros.

 

"Se todos tivermos mais recursos para fazer o que cada um está em melhores condições de fazer, seguramente o país fica em melhores condições e terá uma administração pública mais eficiente, menos burocrática e que presta melhor serviço às populações", concluiu.

 

Depois da cerimónia em Rio Tinto, António Costa ainda participou na sessão de abertura dos Campeonatos Nacionais de Desporto Escolar que junta de hoje a domingo, em Gondomar - Cidade Europeia do Desporto em 2017, cerca de 2.800 atletas, quase 300 professores e 408 alunos voluntários.

 

Serão disputadas 14 modalidades desportivas em 16 locais diferentes de competição, estando representadas todas as regiões do país.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

O problema é que a cada mês que passa desde a mudança do governo o gás vai-se extinguindo até não restar mais nada... E uma vez chegados a esse ponto nem a favorável conjuntura económica mundial vai valer à economia portuguesa tomada de assalto pelas políticas da esquerda lusitana em claro contra-ciclo com as políticas implementadas pelos governos de todo o mundo mais desenvolvido.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

O mundo não tem culpa de vocês terem feito vida de bandidos económico-sociais ao ponto de se ter que chamar a polícia por 3 vezes. E ela volta cá sempre que vocês insistirem em passar dos limites do tolerável. Convençam-se de uma coisa, enquanto vocês não desistirem das associações de malfeitores que criaram com base na Constituição Socialista de 1976, Portugal será sempre o pior, o mais pobre, o mais injusto e o mais dependente entre os melhores, os mais ricos, os mais equitativos e os mais autónomos do mundo. Se Portugal estivesse em África ou na América do Sul, acredito que os vossos perniciosos intentos criminosos teriam margem de progressão. Mas felizmente Portugal é Europa e está inserido na União Europeia. Essa constitui, paradoxalmente e ao invés da versão da Constituição da República Portuguesa em vigor, a maior garantia que Portugal tem para não decair até aos extremos da iniquidade e da insustentabilidade sem retorno a que vocês o querem levar.

Anónimo Há 1 semana

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal: "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/

Anónimo Há 1 semana

O problema é que a cada mês que passa desde a mudança do governo o gás vai-se extinguindo até não restar mais nada... E uma vez chegados a esse ponto nem a favorável conjuntura económica mundial vai valer à economia portuguesa tomada de assalto pelas políticas da esquerda lusitana em claro contra-ciclo com as políticas implementadas pelos governos de todo o mundo mais desenvolvido.

pub
pub
pub
pub