Política Cristas: "Montanha" do relatório de PS e BE sobre dívida "pariu um rato" 

Cristas: "Montanha" do relatório de PS e BE sobre dívida "pariu um rato" 

A presidente do CDS-PP disse hoje que a "montanha" do relatório de PS e BE sobre a dívida portuguesa "pariu um rato", porque " aquilo que é bom no relatório já foi feito" e "a parte inovadora é má e preocupante".
Cristas: "Montanha" do relatório de PS e BE sobre dívida "pariu um rato" 
Bruno Simão
Lusa 29 de abril de 2017 às 14:53

"Estamos numa feira popular, apetece-me usar a expressão do povo de que a montanha pariu um rato", disse Assunção Cristas aos jornalistas em Beja, durante uma visita à Ovibeja, a propósito do relatório do grupo de trabalho de PS e Bloco de Esquerda (BE) sobre a sustentabilidade da dívida portuguesa,

 

Segundo a líder dos centristas, "aquilo que é bom no relatório já foi feito, nomeadamente quando se aumentaram as maturidades, pagando mais extensamente e quando se diminuíram os juros, e quando se fez um pagamento antecipado ao Fundo Monetário Internacional (FMI) no tempo do anterior Governo e que este Governo, aliás, veio limitar".

"Em relação à parte positiva do relatório, pois muito bem, é o reconhecimento de que o trabalho que foi feito anteriormente [pelo Governo PSD/CDS-PP] afinal estava no bom caminho", afirmou.

 

Agora, prosseguiu, o relatório sugere pagar antecipadamente ao FMI: "Achamos muito bem, é um dinheiro caro, vale a pena pagar antecipadamente e renovar por uma dívida mais barata", defendeu.

 

Já "a parte inovadora" do relatório, "infelizmente é má e preocupante", disse, referindo que "pensar em começar a substituir dívida de médio e longo prazo por dívida de curto e curtíssimo prazo não é o mais prudente para um país que tem 130% de dívida e que precisa de ir com regularidade aos mercados".

 

Assunção Cristas referiu que está a ver "o PCP e o BE, certamente, a ficarem sem discurso, porque a famosa renegociação da dívida que pediam, afinal, resulta em nada".

 

O relatório do grupo de trabalho, apresentado na sexta-feira, propõe a reestruturação da dívida portuguesa em 31%, para 91,7% do Produto Interno Bruto (PIB), e pede ao Governo "cenários concretos" de reestruturação para serem utilizados em discussões europeias.

 

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Offshores está tudo mudo ? 29.04.2017

Mais ninguém fala das offshores ? O povo não está esquecido.

pub
pub
pub
pub