Política Jornal I: Bloquistas admitem ruptura com o PS ainda este ano

Jornal I: Bloquistas admitem ruptura com o PS ainda este ano

A resolução do plenário nacional da tendência Plataforma Unitária, do Bloco de Esquerda, que junta Francisco Louçã, Catarina Martins ou Mariana Mortágua, acusa o PS de ser fraco e antecipa uma ruptura para o final de 2016.
Jornal I: Bloquistas admitem ruptura com o PS ainda este ano
Miguel Baltazar
Negócios 19 de fevereiro de 2016 às 10:09

Uma das principais tendências do Bloco de Esquerda, a Plataforma Alternativa, aprovou no passado sábado, dia 13 de Fevereiro, uma resolução para levar à convenção do partido, no final do ano, em que admite uma ruptura com os socialistas caso não sejam tomadas medidas para reestruturar a dívida. O texto, com 14 pontos, avisa o PS para não usar a União Europeia como "álibi dos seus recuos e cedências", escreve o jornal i.

 

A Plataforma Unitária, que incluir Francisco Louçã, Catarina Martins, Mariana Mortágua ou João Semedo, defende que o "Novo Banco e a dívida são, a curto prazo, pontos de divergência e potencial conflito com o PS e o Governo". Para esta tendência, a dívida é vista como um "brutal constrangimento à política económica, ao investimento público, às políticas de emprego e ao financiamento do Estado Social".

 

Por isso, "sem outra política para a dívida, muito dificilmente o Orçamento do Estado para 2017 continuará o sentido de mudança que, mesmo mitigada, encontramos no OE deste ano. A reestruturação da dívida continua no centro da nossa alternativa", lê-se no texto que o i reproduz.

 

"Não é difícil antecipar que as exigências e imposições da UE vão agravar-se no contexto da preparação e discussão do próximo Programa de Estabilidade (PEC) e do OE para 2017, elevando a tensão política e a pressão sobre o Governo", prevêem os bloquistas. O conflito com a UE, dizem, é "o campo da disputa política que temos pela frente". "Não travamos essa disputa para fragilizar o Governo nem como pretexto para romper o acordo com o PS, mas não aceitamos que a UE seja usada pelo PS como álibi dos seus recuos e cedências", avisam.

 

Bloquistas notam "fraqueza do PS"

 

O OE 2017 será apresentado no próximo mês de Outubro, dentro de apenas oito meses.

 

Os bloquistas desta tendência avaliam também o processo de aprovação do OE deste ano, e concluem que o Governo "cedeu às pressões da Comissão Europeia", como já tinha acontecido no Banif e no Orçamento Rectificativo. "Estes episódios ilustram duas realidades incontornáveis e que não podemos ignorar na definição da linha política: a força da União Europeia e a fraqueza do PS", assinalam.

O Bloco de Esquerda tem 19 deputados e é essencial para que o Governo de António Costa tenha maioria no Parlamento.


A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Faz sentido. Sem fazer juízo sobre as políticas, nao é honesto o PS criar expectativas de que ia ter uma política de ruptura com os governos anteriores e agora governar na continuidade mas para pior.

Anónimo 19.02.2016

Se nao cairem breve, vai ser uma desgraca; outra Grecia; A' vai vai! : para evitar isso a' que apertar o cinto; virar a pagina comessando por aumentar a riqueza em vez de ateimar em destribuir o que nao tem.

JOAKIM 19.02.2016

ESTA CORJA DE ESQUERDA LHA !! ENQUANTO NÃO NOS COLOCAR Á PORTA DOS BANCOS A LEVANTAR 5£ POR DIA NÃO DESCANSAM !! MAS A CULPA NÃO É DELES FOI DE QUEM QUIS SER PRIMEIRO MINISTRO A QUALQUER PREÇO !!

Anónimo 19.02.2016

Inevitável e será a o melhor para o País. As raparigas já têm o que querem. Muita gente pensa que o Bloco é dos pobres, engana-se redondamente, o Bloco conseguiu negociar com o PS as melhores vantagens para salários e pensões de 2000 euros. Chamem-lhe esganiçadas,cada uma mamou mais 400 euritos.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub