Política Marcelo admite repensar Acordo Ortográfico

Marcelo admite repensar Acordo Ortográfico

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa considera que, se países como Moçambique e Angola decidirem não ratificar o Acordo Ortográfico, isso será uma oportunidade para repensar a matéria.
Marcelo admite repensar Acordo Ortográfico
Bruno Simão
Lusa 04 de maio de 2016 às 11:25
O chefe de Estado português assumiu esta posição em declarações à RTP África, durante a sua visita de Estado a Moçambique, revelando que, enquanto cidadão, não seguia o novo Acordo Ortográfico.

"Nós estamos à espera que Moçambique decida sim ou não ao Acordo Ortográfico. Se decidir que não, mais Angola, é uma oportunidade para repensar essa matéria", disse.

O chefe de Estado referiu que "o Presidente da República, nos documentos oficiais, tem de seguir o Acordo Ortográfico".

"Mas o cidadão Marcelo Rebelo de Sousa escrevia tal como escrevem os moçambicanos, que não é de acordo com o Acordo Ortográfico", acrescentou.

O Presidente da República iniciou na terça-feira uma visita de quatro dias a Moçambique.

O programa desta visita de Estado termina na sexta-feira e Marcelo Rebelo de Sousa viaja para Lisboa no sábado de manhã.

O Acordo Ortográfico de 1990 tem sido adoptado em ritmos diferentes nos Estados que integram a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), estando à frente desse processo Portugal e Brasil.

O acordo já foi ratificado pelos parlamentos nacionais do Brasil, Portugal, Timor-Leste, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde.

Em Moçambique, a norma aguarda ratificação pelo parlamento e em Angola não foi regulamentado a nível governamental.

O acordo já tem o processo de adopção finalizado em Portugal, onde entrou em vigor a 13 de Maio de 2015, apesar da oposição de grupos da sociedade civil.



A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado 5640533 04.05.2016

Aplaudo!

comentários mais recentes
Dulce Moreira 24.06.2016

Sr Presidente, por favor acabe com esta aberração, somos um povo latino, não podemos avacalhar a etimologia latina das palavras. Abaixo este acordo imbecil...

soletra 05.05.2016

Marcelo não se pronunciou contra o acordo há anos atrás,antes pelo contrário...agora é um disparate que só trará confusão e mais iliteracia.Está a brincar Marcelo...um snob provinciano este Marcelinho...

Anónimo 04.05.2016

Mas estamos a brincar ou o quê?!
Começaram, há uns anos, a ensinar as crianças e adolescentes a nova forma de escrever e os jornais, livros etc. a serem impressos com a nova grafia para voltar tudo à estaca zero. Não brinquem conosco.
Tenham mas é juízo e deixem-se de coisas...

Tiago Rodrigues 04.05.2016

Orgulhosamente sós, pequenos e humildes... um belo caminho para uma nação sem relevância que abre portas para que o português enquanto língua passe a ser o brasileiro! Pais pequeno, mentalidade pequena!
Ridículo no mínimo... a língua é dos falantes.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub