Política Marcelo: já não se discute reestruturação global da dívida pública

Marcelo: já não se discute reestruturação global da dívida pública

O Presidente da República defendeu hoje que "há convergência objectiva" entre Governo e oposição quanto às medidas de gestão da dívida pública, e que já ninguém discute, no imediato, uma reestruturação global.  
Marcelo: já não se discute reestruturação global da dívida pública
Bruno Simão
Lusa 29 de abril de 2017 às 15:02

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas, no final de uma visita ao Centro Ismaili, em Lisboa, a propósito do relatório apresentado pelo PS e pelo Bloco de Esquerda sobre a sustentabilidade da dívida portuguesa.

 

Questionado sobre a ideia de o Estado poder retirar mais dividendos do Banco de Portugal, o chefe de Estado respondeu: "Eu não vi, até agora, nenhum sinal de o Governo querer colocar em causa aquilo que é uma 'almofada' de protecção para o caso de haver de repente uma subida de juros".

 

O Presidente da República advertiu que "pode acontecer, de repente, disparar o crescimento económico na Europa" e que "isso pode significar uma subida de juros".

 

"Portanto, é uma de várias propostas ou ideias que estão no documento, mas o Governo, em relação a essa, especificamente, nunca mostrou qualquer compromisso quanto à sua aceitação", reforçou.

 

Questionado sobre a acusação do presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, de que o executivo, com essa medida, pretende recorrer às reservas do Banco de Portugal para "compor os números do défice", o chefe de Estado respondeu: "Eu não vi nenhum sinal de o Governo se comprometer em relação a ela".

 

"É por isso que eu digo que há um consenso", acrescentou.

 

"Eu aliás, se noto em relação a este relatório, nas medidas imediatas, alguma coisa de positivo é, no fundo, uma convergência entre a liderança da oposição e posições do Governo, porque, como o Governo anterior já geria a dívida, com a preocupação de encurtar prazos e juros e de fazer ir substituindo os empréstimos mais caros por empréstimos mais baratos, este Governo continua a fazer", argumentou.

 

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que "esta convergência é tão clara, tão clara que, de um lado, o Governo está cuidadosamente a estudar o que deve continuar a fazer, e do outro lado a oposição folga com o facto de já ninguém discutir hoje, no imediato, a reestruturação global da dívida pública".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Alugo quartos a 15 km de Fátima 30.04.2017

Funcionários Publicos: 500 eur

Pessoal do privado: 30 eur e neste caso ainda ofereço transporte gratuito até ao Santuário.

A TEMPESTADE PERFEITA 30.04.2017

Com um gov de gente velhaca e irresponsável e um PR chanfrado....

Vasco Abreu 29.04.2017

Ó surpreso!
Cala a boca retornado ressabiado! Para lixo já chega o que todos os dias publicas no Observador com o nick "victor guerra".

Anónimo 29.04.2017

Parece que o que se discute agora é se a pesada herança chega aos netos ou se ainda sobra para os bisnetos. Ao menos é garantido que se lembrarão para sempre dos avós.

pub
pub
pub
pub