Política Marcelo promulga reposição de feriados e complementos de pensão por "coerência"

Marcelo promulga reposição de feriados e complementos de pensão por "coerência"

O segundo lote de diplomas promulgados pelo Presidente Marcelo foi divulgado esta sexta-feira: são repostos quatro feriados e os complementos de pensões no sector público empresarial.
Marcelo promulga reposição de feriados e complementos de pensão por "coerência"
Bruno Simão
Paulo Zacarias Gomes 18 de março de 2016 às 18:35

O Presidente da República cumpriu esta sexta-feira, 18 de Março, o que tinha anunciado na véspera em Roma, aquando da primeira visita ao estrangeiro para se encontrar com o Papa: a promulgação da reposição de quatro feriados, aprovada em Fevereiro no Parlamento.

A decisão, comunicada no site da Presidência, restabelece dois feriados religiosos (os dias de Corpo de Deus – móvel, este ano a 26 de Maio - e Todos os Santos, a 1 de Novembro), o 5 de Outubro (Implantação da República) e o 1 de Dezembro (Restauração da Independência).

Salvaguardando que a reposição pode "ter implicações económicas e financeiras não quantificadas, atendendo à alteração do contexto que a motivou", o anúncio da reposição acrescenta ainda que a promulgação é feita "em coerência com a posição desde sempre assumida nesta matéria".

A mesma "coerência" é utilizada para justificar a promulgação de uma outra reposição, também nesta sexta-feira, desta vez a dos complementos de pensão no sector público empresarial. Neste caso, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa acrescenta que promulga o diploma "apesar de não ser evidente a existência de discussão pública prévia e de ser passível de controvérsia jurídica a inclusão da matéria no domínio da contratação colectiva".

Os cortes nos complementos de pensão foram decretados pela primeira vez em 2014, quando o governo tentava pôr todos os reformados a contribuir para o esforço de austeridade, nomeadamente nas empresas públicas. Nalguns casos, os complementos representavam 50% a 60% do valor da pensão de reforma. 

Este é o segundo lote de diplomas promulgados pelo novo Presidente da República. Na quarta-feira, Marcelo assinou os dois primeiros diplomas enquanto chefe de Estado: os apoios sociais dados na ilha Terceira, arquipélago dos Açores, para compensar os "prejuízos resultantes da redução de efectivos na Base das Lajes" e o direito a uma compensação às famílias dos trabalhadores da Empresa Nacional de Urânio, que morreram de doença profissional".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Fidirido 19.03.2016

Os Complementos de Pensões aos trabalhadores das EP, é a pior vigarice que há desde o 25 de Abril, e os senhores Gestores Públicos que os atribuíram deveriam ir todos presos! Os trabalhadores não têm culpa, e têm direito ao complemento!

Anónimo 18.03.2016

Já começou , parecem a canalha, um põe outro tira, um tira outro põe. São todos primos Salgado, país do Amaral, Marcelo, irmãos portas, mortagua, louça, cavacos, Soares, satanás Lopes, Pires de limas. Bem ao menos na monarquia sabemos o que mamam e onde mamam.

Toma lá oh Passos 18.03.2016

Até feriados roubaste seu pulha, bravo Presidente.

Anónimo 18.03.2016

Nao sou eu que digo:leitura para as mulheres,matematica para os homens,marcelo desobdeceu ao criterio,secalhar poda ja naquel tempo fazelo.Marcelo deixa-se levar na onda so que ele esquece-se que esta numa zona proibida.E meu desejo que cheguem a bom porto.

pub