Política Ministro da Cultura ameaça dar "bofetadas" a dois colunistas

Ministro da Cultura ameaça dar "bofetadas" a dois colunistas

João Soares, ministro da Cultura, promete no Facebook dar um "par de bofetadas"a Augusto M. Seabra e diz que procurará Vasco Pulido Valente, também colunista do jornal Público, para lhe dar o mesmo tratamento. "Só lhes podem fazer bem. A mim também", argumenta.
Ministro da Cultura ameaça dar "bofetadas" a dois colunistas
Eva Gaspar 07 de abril de 2016 às 10:21

O ministro da Cultura, João Soares, promete dar um "par de bofetadas" a Augusto M. Seabra e ameaça procurar Vasco Pulido Valente, também colunista do jornal Público, para lhe dar igual tratamento. Umas "salutares bofetadas. Só lhes podem fazer bem. A mim também", argumenta o ministro num texto que publica na sua página do Facebook.

 

"Em 1999 prometi-lhe publicamente um par de bofetadas. Foi uma promessa que ainda não pude cumprir. Não me cruzei com a personagem, Augusto M. Seabra, ao longo de todos estes anos. Mas continuo a esperar ter essa sorte. Lá chegará o dia. Ele tinha, então, bolçado sobre mim umas aleivosias e calunias. Agora volta a bolçar, no 'Publico'. É estória de "tempo velho" na cultura. Uma amiga escreveu: "vale o que vale, isto é: nada vale, pois o combustível que o faz escrever é o azedume, o álcool e a consequente degradação cerebral. Eis o verdadeiro vampiro, pois alimenta-se do trabalho (para ele sempre mau) dos outros."

Em 1999 prometi-lhe publicamente um par de bofetadas. Foi uma promessa que ainda não pude cumprir. Não me cuzei com a...

Publicado por João Soares em Quarta-feira, 6 de Abril de 2016

 

Em causa estará um artigo de opinião publicado no jornal Público - "Tempo velho" na Cultura – no qual Augusto M. Seabra opina que a nomeação de João Soares para ministro da Cultura foi "uma surpresa que permanece inexplicável já que passados quatro meses não afirmou uma linha de ação política, tão só um estilo de compadrio, prepotência e grosseria".

"Que um governante se rodeie de pessoas de confiança é óbvio. Mas no caso do gabinete de Soares trata-se de uma confraria de socialistas e maçons", acusa o sociólogo, que conclui que "o tão badalado 'tempo novo' é na cultura apenas o 'tempo velho' dos hábitos socialistas. E muito ainda promete...".

Num recente artigo no Público, Vasco Pulido Valente também não poupa críticas a João Soares a propósito da forma como geriu a demissão do então director do CCB. Em a "Questiúncula", o cronista começa por esclarecer que "como o dr. João Soares muito bem sabe, não tenho por ele qualquer respeito nem como homem, nem como político".

"Houve pessoas – Teresa Gouveia e José Manuel Fernandes – que, a propósito do "caso Lamas", descobriram agora a insignificância e a grosseria dessa lamentável personagem. Chegam tarde. Claro que o ministro podia ter chamado discretamente o director do CCB para o demitir, alegando, como está no seu direito, falta de confiança política ou pessoal. Mas João Soares preferiu fazer do incidente um espectáculo público. Ameaçou o dr. Lamas, exibiu os seus poderes (que lhe vêm exclusivamente do cargo) e no fim ainda se foi gabar para a televisão. Não se percebe o motivo de toda esta palhaçada, excepto se pensarmos que ele é no governo um verbo-de-encher e que o PS o atura por simples caridade", escreveu.

Contactado pelo Público, Augusto M. Seabra diz que a ameaça de João Soares "é inqualificável". "Acho inqualificável que, num governo democrático um membro desse governo faça ameaças de agressão física a alguém que usou do direito da opinião crítica". Sobre as eventuais consequências políticas deste acto do ministro, Pulido Valente diz, por seu turno, não fazer ideia do que possa acontecer porque "não sei o que é permitido e o que não é permitido neste Governo". Quanto às ameaças de João Soares, riposta: "Fico à espera, para me dar as bofetadas".

O ministro João Soares não se mostrou disponível para falar ao jornal, acrescenta o Público.


Segundo o artigo 153º do Código Penal, "quem ameaçar outra pessoa com a prática de crime contra a vida, a integridade física, a liberdade pessoal, a liberdade e autodeterminação sexual ou bens patrimoniais de considerável valor, de forma adequada a provocar-lhe medo ou inquietação ou a prejudicar a sua liberdade de determinação, é punido com pena de prisão até 1 ano ou com pena de multa até 120 dias". O procedimento criminal depende de queixa.


(notícia actualizada às 11h30 com reacções dos visados ao jornal Público)




A sua opinião71
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado CONSCIÊNCIA 07.04.2016

E AUGUSTO SEABRA TEM RAZÃO, VEJA-SE QUE JOÃO SOARES ESCOLHEU PARA O CCB, UM GRANDE CORRUPTO E UM GRANDE MAÇON.

comentários mais recentes
Anónimo 08.04.2016

Ainda bem que Portugal não tem diamantes, se não era só aviões aterrar e a subir. Mas tem ministério da cultura e CML!

Cultura da batata 07.04.2016

Este crómio é ministro do quê ?

Tó Sousa 07.04.2016

Nunca houve um Ministro da Cultura tão Bronco, tão Bruto e tão Anormal como o João Soares.
Há claramente um atraso mental no Joãozinho Soares.

tobras 07.04.2016

Será possivel que com tantos socialistas em portugal não tinham mais ninguem, ou será um tachinho do papá.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub