Política Vieira da Silva aconselha "mais prudência" a Passos quando fala do sector solidário

Vieira da Silva aconselha "mais prudência" a Passos quando fala do sector solidário

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, aconselhou hoje o líder do PSD a ter "mais prudência nas palavras" quando fala do sector solidário e adiantou que não pretende duplicar nem substituir equipamentos.
Vieira da Silva aconselha "mais prudência" a Passos quando fala do sector solidário
Bruno Simão
Lusa 27 de Fevereiro de 2016 às 19:47

"Aconselharia ao dr. Pedro Passos Coelho um pouco mais de prudências nas palavras. O Governo não pretende duplicar nem substituir equipamentos sociais. Este tipo de afirmações é mais próprio de alguém em campanha eleitoral do que de alguém que tem a responsabilidade de ser líder do maior partido da oposição", disse Vieira da Silva à Lusa.

 

O líder do PSD, Pedro Passos Coelho afirmou estar "preocupado" com o futuro do setor solidário ao ser agora encarado pelo Governo como "complementar" e acusou o executivo de querer "gastar dinheiro" em equipamentos "concorrentes" aos das instituições sociais.

 

O governante, confrontado com estas declarações, reagiu no final da inauguração do Centro de Dia de Lentiscais, em Castelo Branco, e disse serem afirmações "apenas para lançar alarme junto de alguns sectores".

 

"Julgo que já não produzem esse efeito, porque as instituições e os seus representantes sabem que podem trabalhar com o Governo", sublinhou o ministro.

 

"Se olharmos para a História e para o que foi o desenvolvimento social do país, mais facilmente encontramos associado aos governos do PS momentos de reforço e alargamento das redes de equipamentos sociais da responsabilidade do setor não lucrativo", disse.

 

O ministro sublinhou que estas não são instituições que o Governo considere como "secundárias".

 

"São para nós fundamentais para assegurar os equilíbrios sociais que pretendemos manter e tudo faremos para reforçar essa cooperação", afirmou.

 

Contudo, explicou também que o Estado não deixará de exercer o seu papel no domínio das políticas públicas, das prestações sociais e da resposta dos serviços públicos às necessidades das populações.

 

"Sempre que possível, isso será feito com as instituições, muito em particular, na rede de equipamentos sociais que o Governo não pretende duplicar nem substituir", afirmou.

O ministro recordou que o Governo tem no seu programa a "afirmação clara" de manter e até reforçar todo o trabalho de cooperação com as instituições da sociedade civil e do setor social.




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado águamole 27.02.2016

"Mais prudência", neste caso, significa, não mintas tanto...
Mas, como é que pode pedir a um sujeito para não mentir, se ele não sabe fazer outra coisa?

comentários mais recentes
asdf 28.02.2016

Anónimo: estou deslumbrado com a sua sapiência e educação que são a norma nos bacanos da direita. Só não me demonstrou - com provas logicamente válidas, insultos não provam nada, que o seu Coelho não chumbou o PEC IV para ir para PM. Vamos a isso? Com essa inteligência fulgurante, só pode.

Anónimo 28.02.2016

Coitado do aposentado,conseguiu este posto porque o tone de rans nao encontrou mais ninguem para o cargo e anda ali a chamar doutor a tudo e a todos.Se me vir com 1 auscultador na rua o que hoje e normal chama-me especialista.

celso 28.02.2016

Passos é um politico miserável e perigoso, meteu o pais a caminho do caos para chegar ao poder, governou para a clientela e arruinou o pais, deixem-o roncar, pois esse ódio ao povo na oposição não é tão perigoso.

Anónimo 28.02.2016

asdf, e voçê não tem inteligência para andar por aqui, pois só diz disparates ,ainda a falar no PEC 4?Se calhar se não o têm chumbado voçê e outros hoje estariam como na Venezuela .Andou mesmo nas Novas Oportunidades só pode ser, tanta asneira junta!!!quanto te pagam?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub