Política OE2016: Jerónimo destaca medidas positivas mas sem ilusões sobre limitações da proposta

OE2016: Jerónimo destaca medidas positivas mas sem ilusões sobre limitações da proposta

O secretário-geral comunista afirmou esta sexta-feira que o Orçamento não é do PCP, mas do Governo PS, destacando um conjunto de "medidas positivas" pelas quais o partido se bateu, sem ilusões quanto às "limitações e insuficiências da proposta".
OE2016: Jerónimo destaca medidas positivas mas sem ilusões sobre limitações da proposta
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 05 de Fevereiro de 2016 às 23:56

Num comício nos Bombeiros Voluntários de Sacavém, concelho de Loures, Jerónimo de Sousa fez uma "primeira e limitada abordagem" ao Orçamento do Estado para 2016 que hoje foi entregue e apresentado, destacando um conjunto de "medidas positivas", mas deixando uma certeza: "não iludimos limitações e insuficiências da proposta apresentada pelo Governo".

 

"Agora, vamos trabalhar de forma empenhada e séria, durante todo o processo, que agora se abre de debate para que o orçamento possa corresponder o melhor possível a essas aspirações e expectativas, sabendo que este não é o orçamento do PCP, mas o orçamento do Governo do PS", assegurou.

 

Apesar de serem "elementos positivos", que concretizam a posição conjunta estabelecida entre o PCP e PS ou a propostas entretanto avançadas pelo PCP, o secretário-geral comunista alertou para o "ainda limitado alcance e que podem dar [resposta] a problemas imediatos e a expectativas dos trabalhadores e do povo português".

 

"Embora com a plena consciência de que a solução para os problemas do país não dispensam, bem pelo contrário exigem, a indispensável ruptura com a política de direita e a concretização de uma política patriótica e de esquerda, nós continuamos a estar como sempre temos estado, empenhados na procura das soluções e tomada de medidas que correspondam a legítimas aspirações dos trabalhadores e do povo português a uma vida melhor", vincou.

 

Jerónimo de Sousa foi peremptório: "nós não nos desviaremos do caminho traçado, apoiando o que servir os trabalhadores, o povo e o país e não apoiando o que for negativo".

 

O secretário-geral comunista elencou as preocupações do PCP que afastam os comunistas desta proposta de orçamento: "o aumento do imposto sobre os combustíveis, a insuficiente tributação sobre grande património mobiliário, a inexistência de resposta estrutural ao problema da dívida, a não consideração do aumento do valor real das pensões ou a manutenção de restrições impostas aos trabalhadores e serviços da Administração Pública".

 

"Nós pensamos que é necessário elevar os rendimentos dos reformados e idosos. O descongelamento das reformas ao fim de seis anos é um imperativo que tem de ser acompanhado pelo aumento real do seu valor", defendeu.

 

Na opinião de Jerónimo de Sousa "estes últimos dias de pressões e de chantagem tornaram mais claro" que Portugal precisa da "ruptura com as imposições da União Europeia e outros constrangimentos externos".

 

Entre as medidas positivas elencadas pelo líder comunista, destaque para a redução das restrições à contratação na Administração Pública, o levantamento no prazo de seis meses das situações de contratação precária existente na Administração Pública, o fim da isenção dos fundos imobiliários em sede de IMI, o aumento da contribuição do sector bancário ou a introdução de deduções fiscais por filhos ou ascendentes em sede de IRS. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 06.02.2016

O jeronimo canhoto ja sabe que aquilo que for amargo deita-se um pouco de acucar e passa tudo.O fim de gestacao esta a chegar,e o brito ja vai anunciando o aborto.NAo foi capaz de crescer ao ponto de se colocar ao lado dos opositores,nem da catarina.

pub
pub
pub
pub