Política Passos responde a Costa: "haja decoro" em pedir apoio do PSD

Passos responde a Costa: "haja decoro" em pedir apoio do PSD

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, pediu hoje "decoro" ao Governo para que não peça aos sociais-democratas que apoiem as actuais políticas, considerando que as mesmas revertem todo o trabalho do anterior executivo.
Passos responde a Costa: "haja decoro" em pedir apoio do PSD
Lusa 13 de Fevereiro de 2016 às 15:36

"Não nos venham exigir, em nome do nosso sentido de responsabilidade, que apoiemos os programas que querem reverter tudo o que fizemos e culpar-nos de todo o mal que existe no país, isso não", disse, acrescentando: "haja pelo menos esse decoro, de não pedirem o nosso apoio para combater as nossas ideias e desfazer as reformas que nós fizemos".

 

Pedro Passos Coelho falava em Portalegre, no decorrer de um almoço convívio com simpatizantes e militantes do PSD que apoiam a sua recandidatura à liderança do partido, tendo visitado antes uma exploração agrícola.

 

O presidente do PSD fez questão de frisar que o Governo é sustentado por uma maioria de esquerda e que a mesma "não se confunde" com o PSD.

 

"Temos hoje outro Governo e um Governo que é sustentado por uma outra maioria. Essa maioria não se confunde connosco, não somos nós que apoiamos o atual Governo, é o PCP, o PEV, BE, o PAN e o PS que apoiam o actual Governo", disse.

 

"E qual é o seu programa? Desfazer o que nós fizemos, este é o programa do atual Governo. Ao cabo de dois meses e meio, o que se conhece do atual Governo é fazer o contrário do que o Governo anterior fez, não me parece um caminho normal", acrescentou.

 

O primeiro-ministro, António Costa, disse numa entrevista publicada hoje no semanário Expresso que o PSD se deve libertar do "casulo em que ficou fechado" para que possa regressar "à vida democrática no presente".

 

Questionado se teme que o Presidente da República eleito a 24 de janeiro o tente "empurrar" para entendimentos com os sociais-democratas, António Costa respondeu que entendeu as palavras de Marcelo Rebelo de Sousa como "um convite a que o PSD se liberte do casulo em que ficou fechado e possa regressar à vida democrática no presente, convivendo com os demais partidos".

 

António Costa considerou ainda que "é normal nas democracias que o debate parlamentar e a construção das soluções envolva os diferentes agentes políticos, umas vezes concordando, outras não".

 

"Há matérias que, pela sua natureza, convidam a consensos políticos mais amplos e acho que seria uma pena se o PSD continuasse fechado naquele casulo perdido no passado e não regressasse ao tempo presente", sublinhou.

 

Ainda relativamente a futuros entendimentos com o PSD, António Costa acrescentou: "numa democracia o compromisso e o diálogo político são importantes e não queremos nem pretendemos excluir ninguém desse diálogo".

 




A sua opinião26
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 13.02.2016

Agora que foi apertado pelos parceiros europeus quer ajuda. O homem não tem pingo de vergonha na cara.

comentários mais recentes
Laranjola mecanica 14.02.2016

Tipica laranjola mecanica! Sem vergonha ! Alex Grafonola que diz e faz o contrario de tudo o que fez e disse anteriormente.

nb 14.02.2016

Todos falam do Costa. E do nº 2, ninguém se lembra? Ele, é Carlos César, o obreiro destas artimanhas todas. Sem este, o Costa nunca tinha chegado a 1º ministro.

CENSURA 14.02.2016

Ontem fiz uns comentarios aqui, os quais foram apagados. Contudo há comentarios de muito mau gosto e com "milhentas" repetições e não os apagam. O NEGOCIOS continua a palmilhar caminhos errados. Depois queixam-se da crise.

Anónimo 14.02.2016

Afinal o D.Sebastião Costa é Mestre a vender ILUSÕES. Quando CENTENO " boa praça" descobrir c quem se meteu é de FUGIR..
O discurso de COSTA é dum RELVAS mais sofisticado.Falta cantar "Grândola vila morena"

ver mais comentários
pub