Política PCP garante que vai votar na AR contra tudo o que prejudique os portugueses

PCP garante que vai votar na AR contra tudo o que prejudique os portugueses

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, garantiu quinta-feira que, no parlamento, vai votar a favor do que for positivo para melhorar a vida das pessoas e do país e contra tudo o que os prejudique.
PCP garante que vai votar na AR contra tudo o que prejudique os portugueses
Correio da Manhã
Lusa 30 de outubro de 2015 às 00:34

"Em relação à nossa declaração de 7 de Outubro, afirmamos claramente ao povo português e damos esta garantia. Votaremos a favor de tudo o que for positivo para os trabalhadores, para o povo e para o país, estaremos contra medidas que prejudiquem os trabalhadores, o povo e o país. É uma posição clara da nossa parte", afirmou Jerónimo de Sousa, em entrevista à SIC.

 

Em relação às negociações com o PS, para viabilizar uma maioria de esquerda no parlamento, Jerónimo de Sousa explicou que o PCP está à procura de "convergência e aproximações em relação a coisas concretas de salários, reformas e de pensões, de devolução daquilo que foi roubado".

 

Questionado sobre se o PCP vai concordar com as metas dos défice estabelecidas, Jerónimo de Sousa respondeu: "Aquilo que nós consideramos é que não podem ser os salários, as pensões e as reformas (...) usadas como forma de tentar reduzir o défice a mata cavalos, em conformidade com aquilo que está reflectido no tratado orçamental".

 

"Eu nunca consegui que nenhum economista me explicasse porque tem de ser 3% e não 4%", vincou.

 

Na entrevista à SIC Notícias, Jerónimo de Sousa disse também que desconhece o conteúdo das negociações entre o PS e o Bloco de Esquerda e que a questão da renegociação da dívida vai "pôr-se talvez, não por imposição do PCP, mas por imposição da própria realidade".

 

Jerónimo disse que não vai votar a lei que prolongue os cortes na função pública para 2016. "Se isso acontecer não vem mal ao mundo, até porque o Tribunal Constitucional considerou que esses cortes deviam valer até final de 2015. Não é uma radicalização do PCP", explicou. 

 

Garantiu também que o "PS tem condições de formar Governo". Interrogado também sobre se o PCP vai fazer parte do próximo Governo, Jerónimo de Sousa disse que o seu partido não luta por lugares ou privilégios. "A nossa postura tem sido a de dar uma contribuição positiva, procurar resolver os problemas, os anseios, de muitos portugueses, particularmente os trabalhadores", sublinhou.


A sua opinião98
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado TOPI 30.10.2015

Ha grande Cavaco, ves mais de olhos fechados que a maior parte destes politicos com eles abertos.
Força Cavaco.

comentários mais recentes
Mafurra 02.11.2015

Como eles se preocupam com o povo !
Devem estar a copiar da URSS ou da Coreia do Norte, Só pode...

Anónimo 31.10.2015

Vai tentar que défices públicos elevados são para o bem dos portugueses.. Vai tentar convencer os portugueses que gastar dinheiro que não se tem é para benefício de todos os portugueses.. Aldrabao

espectaculo 30.10.2015

Jerónimo não está à altura da tarefa. Nem ele muitos dos dirigentes comunistas. Querem impor soluções tendo 9% do eleitorado. Não compreendem que o País pede todos os anos dinheiro emprestado pois tem tido um défice de 10% anual. Jerónimo era a favor do TGV da nova ponto e do novo aeroporto não obstante ser tudo a crédito num país seriamente endividado. Não vê que existem acordos internacionais que temos de tentar ao menos cumprir e não ser ostensivos para quem nos empresta dinheiro. Jerónimo está a boicotar o acordo à esquerda com as declarações que faz. Jerónimo esquece que se o acordo falhar falham todos os partidos à esquerda por muitos anos. Jerónimo hesita tanto a dar respostas que lhe fazem demonstrando falta de conhecimentos. Cunhal faz falta.

Gusmão José Carlos 30.10.2015

Então se não quer prejudicar os portugueses que vá para a Coreia do Norte e que não volte nunca mais!!!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub