Política PS continua a subir mas Costa perde popularidade em mês crítico

PS continua a subir mas Costa perde popularidade em mês crítico

A sondagem da Aximage para o Negócios e o Correio da Manhã mostra que o PS não foi afectado pelo momento crítico pelo Governo na sequência de Pedrógão Grande e de Tancos. Já o PSD e Passos Coelho foram o partido e líder mais penalizados.
PS continua a subir mas Costa perde popularidade em mês crítico
Bruno Simão/Negócios
David Santiago 15 de julho de 2017 às 07:30

O PS mantém a tendência de subida nas intenções de voto, com os socialistas a aumentarem a distância para o PSD que, por sua vez, também continua a descer, agora de forma acentuada. A sondagem da Aximage para o Negócios e o Correio da Manhã mostra que em Julho o PS cresceu 0,3 pontos percentuais para 44% enquanto o PSD recuou 1,7 pontos para 22,9%.

 

Os social-democratas são mesmo a única força política a cair no estudo de opinião da Aximage, já que o Bloco de Esquerda e o CDS crescem ligeiramente e a CDU (coligação entre PCP e Verdes) mantém-se inalterada.

 

Os bloquistas garantem 10,1% das intenções de voto, a CDU continua com 7,8% e o CDS sobe para 5,3%. Já a abstenção cresce cerca de meio ponto percentual para 34,2%.

 

Este estudo de opinião sugere que a avaliação do eleitorado sobre os socialistas não foi negativamente influenciada pelas polémicas subsequentes aos incêndios que eclodiram em 17 de Junho em Pedrógão Grande e pelo assalto a Tancos noticiado em 29 do mês passado.

 

Pelo contrário, todos os líderes – excepção feita à líder centrista, Assunção Cristas, que se mantém estável – vêem a avaliação feita pelos portugueses cair. O primeiro-ministro e secretário-geral socialista, António Costa, cai de uma nota de 15,6, em Junho, para 13,1. O presidente do PSD também não capitalizou o momento crítico vivido pelo Governo, com a nota atribuída a Passos Coelho a ficar ainda mais negativa, caindo de 5,2 para 4,7.

 

E se Assunção Cristas fica com uma avaliação quase inalterada nos 7,8, tanto a coordenadora do Bloco, Catarina Martins, como o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, recuam para 10,6 e 9,9, respectivamente.

 

No que concerne à avaliação global feita ao desempenho do Governo, o estudo de opinião da Aximage revela que 50,4% dos inquiridos consideram que o Executivo fez "melhor do que esperava", com apenas 9,6% a considerarem que o comportamento do elenco governativo foi "pior do que esperava".

 

Na disputa entre António Costa e Passos Coelho, o líder do PS continua bastante à frente em relação à confiança para a chefia do Governo. Questionados sobre se confiam mais em Costa ou em Passos para primeiro-ministro, 66,3% escolhem o secretário-geral socialista e apenas 23,2% optam pelo presidente social-democrata. Sendo que Costa cai quase 3 pontos e Passos sobe 1 ponto. 

Em concreto sobre a actuação dos vários intervenientes políticos no incêndio de Pedrógão, os inquiridos pela Aximage atribuem uma avaliação positiva ao presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (17,1), a António Costa (11,4), à ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa (10,8), mas dão nota negativa a Assunção Cristas (7,6) e a Passos Coelho (5,2). 

O presidente social-democrata poderá ter sido prejudicado pelas declarações em que atribuía responsabilidades às autoridades pela falta de devido acompanhamento psicológico às pessoas, directa ou indirectamente, atingidas pelos fogos na região de Pedrógão Grande, o que teria levado a que pessoas tivessem posto "termo à vida".

Mais tarde, Passos Coelho pediu desculpa por ter falado na existência de suicídios sem ter confirmado tal informação, ressalvando que não utilizarou esta questão como arma de arremesso político.  

FICHA TÉCNICA

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.


Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 604 entrevistas efectivas: 279 a homens e 325 a mulheres; 61 no Interior Norte Centro, 81 no Litoral Norte, 97 na Área Metropolitana do Porto,119 no Litoral Centro, 165 na Área Metropolitana de Lisboa e 81 no Sul e Ilhas; 110 em aldeias, 160 em vilas e 334 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral. 

 

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 6 a 11 de Julho de 2017, com uma taxa de resposta de 73,8%.

 

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 604 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" – a 95 % -de 4,00 %).

 

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.

 

 




A sua opinião51
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 15.07.2017

O problema de economias como a portuguesa é terem, por um lado, empregados a mais a ocupar postos de trabalho que não se justificam, com todos os elevados custos de oportunidade que isso representa para a sustentabilidade do Estado, a competitividade da economia e o nível de equidade na sociedade. Estes agentes económicos pertencem à esfera da extracção de valor. Por outro lado, terem relativa e proporcionalmente poucos empregados a ocupar postos de trabalho justificáveis e que criem valor excepcional. Estes agentes económicos pertencem à esfera da criação de valor. Há efectivamente um desequilíbrio muito pronunciado entre criação de valor e extracção de valor na economia portuguesa. O IMD explica-nos isso muito bem. http://www.imd.org/news/is-value-extraction-viable.cfm

comentários mais recentes
Já não Há Mentira que Pegue Há 3 semanas

Acredito que será uma Bomba se, nos Resultados Eleitorais se concluir que a quase Maioria eleitores PSD votar PS, ainda mais difícil entender, a Votação inédita da CDU, mas insuficiente para Roubar a Maioria absoluta ao PS, na CDU talvez mercê do comportamento inesperado na Geringonça.

A Tentar Perceber Há 3 semanas

Acredito que será uma Bomba se, nos Resultados Eleitorais se concluir que a quase Maioria eleitores PSD votar PS, ainda mais difícil entender, a Votação inédita da CDU, mas insuficiente para Roubar a Maioria absoluta ao PS, na CDU talvez mercê do comportamento inesperado na Geringonça.

Ai o PSD 16.07.2017

Fingem-se de democratas, mas nao toleram qualquer oposicao ao seu pensamento unico...
E continua o TECNOFÓRMIO caloteiro da SS a vender banha da cobra, mentiras, ilusoes, nuvens de fumo, e a fugir das responsabilidades sempre que possivel. Um artista.

Anónimo 16.07.2017

Certos portugueses estão a colocar vidas em perigo em Portugal com as suas exigências inusitadas e irrealistas. Pedrógão e Tancos foram o sinal de alarme de que a situação da folha salarial e de pensões está a atingir um ponto de não retorno.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub