Política PSD e CDS avançam com nova comissão de inquérito à Caixa

PSD e CDS avançam com nova comissão de inquérito à Caixa

O PSD e o CDS-PP vão avançar com a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito sobre o envolvimento do ministro das Finanças, Mário Centeno, na polémica da Caixa Geral de Depósitos, disseram à Lusa fontes dos dois partidos.
PSD e CDS avançam com nova comissão de inquérito à Caixa
Bruno Simão
Lusa 17 de fevereiro de 2017 às 13:05

O PSD e o CDS-PP vão avançar com a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito sobre o envolvimento do ministro das Finanças, Mário Centeno, na polémica da Caixa Geral de Depósitos, disseram à Lusa fontes dos dois partidos.

As mesmas fontes adiantaram que a futura comissão averiguará o período desde a negociação para a nomeação da anterior administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), presidida por António Domingues, até à demissão do gestor, na sequência da controvérsia com a entrega das declarações de rendimentos e património ao Tribunal Constitucional.

A iniciativa surge após a esquerda parlamentar ter inviabilizado esta semana a análise da troca de comunicações entre o ministro das Finanças e António Domingues na comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa Geral de Depósitos que já está constituída.

A nova comissão de inquérito, requerida com carácter potestativo (obrigatório), visa, segundo o PSD e o CDS-PP, "perceber a quem mentiu o ministro Mário Centeno", adiantaram as mesmas fontes sem adiantarem mais explicações.

A constituição de uma nova comissão de inquérito surge um dia depois de o deputado do PSD José Matos Correia ter anunciado a demissão de presidente da comissão parlamentar de inquérito à CGD.

"Não faço nem nunca fiz política quando exerço funções de presidente de comissões parlamentares e cumpri essa regra, mas isso não significa que esteja disponível para, com o meu silêncio e omissão, pactuar com um conjunto de atitudes que do meu ponto de vista violam e lei e são atropelo à democracia e põem em causa o modo normal de funcionamento de uma comissão de inquérito", justificou José Matos Correia.

Na origem da decisão de Matos Correia esteve a decisão dos grupos parlamentares que suportam o Governo socialista (PS, Bloco de Esquerda e PCP) de chumbarem os requerimentos apresentados pelo PSD e pelo CDS-PP relativos à utilização da informação trocada entre o ministro Mário Centeno e o ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos António Domingues, sobre as condições para que o último aceitasse o convite do Governo para liderar o banco público.

Na quinta-feira, o PSD disse que ia decidir a sua posição política relativa à comissão parlamentar de inquérito à gestão da CGD e o CDS referiu que iria ponderar sobre como devem decorrer os trabalhos, na sequência da demissão do presidente deste órgão parlamentar.

A reunião de mesa e coordenadores da comissão de inquérito à gestão da CGD, que também se realizou na quinta-feira, foi inconclusiva, pelo que foi reagendado novo encontro para terça-feira.


(notícia actualizada às 14:03 com mais informação)

 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 20.02.2017

Existem centenas de milhões de euros de produtos em armazéns e lojas vindos fora da Europa sem pagar um cêntimo de IVA.
Façam leis para cobrar esse imposto na vez de andarem a perder tempo com assuntos que estão resolvidos.

Legru 17.02.2017

Impressiona-me tanta falta de ponderação, isenção e de lealdade consigo mesmo.
A maioria dos comentários abaixo, leva-me a pensar que os portugas pensam em política tal como os fanáticos desportivos pensam o futebol. No futebol, até será pacífico porque não mexe no nosso bolso. Em política a coisa reveste-se de maior gravidade porque está em causa a nossa dignidade nacional, o nosso orgulho e, por último, o nosso dinheiro.
Proibir que seja divulgado quais são os maiores devedores daCGD. A quem interessa? - Aos que ferraram o calote e não pagam. - Será que isso é interesse nacional?
Proibir que sejam divulgados os SMS's entre Centeno e Domingues. A quem interessa? - A quem quer continuar com mentiras?
Espanta-me que ainda haja portugueses que, tal como os fanáticos da bola, defendem o indefensável - Que tinha sido penalty a seu favor, que o penalty contra, não era penalty...
Pobre país que tão mal ocupado estás.

Jorge Pires 17.02.2017

Se o presidente pôs já um ponto final no assunto, o que é que estes putos querem, só se for para se entreterem já que não sabem fazer mais nada. Porque não olham para dentro dos seus partidos que foram uma cambada de mentiras.

Anónimo 17.02.2017

Mas o PSD não faz a comissão de inquérito para averiguar o que o Passos Coelho e a Albuquerque andaram a fazer, que ironia.

ver mais comentários
pub