Política PSD, Passos e optimistas recuperam em Fevereiro

PSD, Passos e optimistas recuperam em Fevereiro

PS continua à frente do PSD nas intenções de voto, mas face à última sondagem da Aximage para o Negócios e o Correio da Manhã, o partido liderado por Passos Coelho recupera terreno, enquanto todos os restantes partidos cedem.
PSD, Passos e optimistas recuperam em Fevereiro
Sara Antunes 18 de fevereiro de 2013 às 07:55

O PSD conseguiria 29,1% dos votos dos portugueses se as eleições fossem hoje, de acordo com a sondagem. Este valor é superior aos 26,3% registados em Janeiro (ver tabelas em baixo).

 

E o partido liderado por Passos Coelho é o único que consegue melhorar face ao mês passado. O PS passa de 32,9% para 32%, o CDS de 10,3% para 8,7%, a CDU de 11,8% para 11,5% e o BE de 7,4% para 6,3%.

 

De acordo com a mesma fonte, a abstenção também aumentaria de 43%, em Janeiro, para 46,2%, em Fevereiro. A percentagem de votos em branco ou nulo também cresceria para 10,3%.

 

A maioria dos inquiritos na sondagem considera que o Governo está a governar "pior" do que o esperado. São 67% dos inquiridos a ter esta opiniãi contra 5,30% que pensa que está a fazer melhor e 26,9% que considera que está a governar tal como se esperava.

 

A avaliação de Cavaco Silva não fica melhor. 61,3% dos inquiridos considera que o Presidente da República tem actuado "mal", contra 24,2% que considera que tem estado "bem" e 10,8% cuja avaliação da sua actuação é "assim-assim".

 

Quanto aos líderes dos dois maiores partidos, os inquiridos dizem confiar mais em António José Seguro do que em Passos Coelho para primeiro-ministro, mas a diferença é diminuta - 31,6% contra 31,4%. Sendo que os números apontam para que o líder do PS tenha perdido alguma força face à sondagem realizada em Janeiro, altura em que conseguiu que 34,1% dos inquiridos demonstrasse confiança. 31,6% dos inquiridos diz que não confia em nenhum dos dois para liderar o país.

 
Ficha técnica destinada a publicação e elaborada de acordo com um modelo proposto à ERC para a imprensa
Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel.

Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 602 entrevistas efectivas: 281 a homens e 321 a mulheres; 149 no interior, 252 no litoral norte e 201 no litoral centro sul; 150 em aldeias, 213 em vilas e 239 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral.

Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 5 a 8 de Fevereiro de 2013, com uma taxa de resposta de 80,7%.

Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 602 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,020 (ou seja, uma "margem de erro" - a 95% - de 4,00%).

Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.




A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 18.02.2013

Meu caro Sapo. A grande questão é saber como é que o partido que nos conduziu a este desastre ainda tem tantos votantes a pontos de estar em primeiro nas intenções de voto. Só num país de mentecaptos.

comentários mais recentes
JOSÉ R 18.02.2013

O SAPO, parece que o limitado é você, não consegue ver coisa alguma

Maria Escanzelada 18.02.2013

Ainda existem 27% dos Tugas a votar no PPD? Entao ainda existe espaço para cortar nao os 4000 milhoes, mas 8000 milhoes nas despesas sociais- saude, educaçao e reformados- e muito provávelmente ainda subirá nas intençoes de voto, mesmo se o desemprego chegar aos 30%. É obra. Os portugas sempre gostaram muito daqueles que os tratam abaixo de cao, já vem do tempo do ilustre Dr. Salazar. As autarquicas estao no papo para o PPD e CDS, nao abradem, continuem a dar-lhes nas orelhas.

Anónimo 18.02.2013

Ao Anónimo das 09:22, presumo que queria dizer: "Meu caro Sapo. A grande questão é saber como é que os PARTIDOS que nos conduziram a este desastre ainda tem tantos votantes a pontos de estarem em primeiro nas intenções de voto. Só num país de mentecaptos.

luis lucas 18.02.2013

Afinal a direcção do BE designada por "shampoo (bicípite H bicípite M)", entenda-se 2 em 1, foi mesmo fatalizada pelo Francisco Louçã. Não fora ele um expert na matéria..., daí a queda...

ver mais comentários
pub