Política PSD vai apresentar moção de rejeição em coordenação com CDS

PSD vai apresentar moção de rejeição em coordenação com CDS

O PSD vai apresentar uma moção de rejeição ao Programa do Governo do PS em coordenação com o CDS-PP. A decisão foi tomada na Comissão Permanente do PSD
PSD vai apresentar moção de rejeição em coordenação com CDS
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 01 de dezembro de 2015 às 13:59

O PSD vai apresentar uma moção de rejeição ao Programa do Governo do PS em coordenação com o CDS-PP, disse hoje à agência Lusa fonte social-democrata.

A Comissão Permanente do PSD - órgão mais restrito de direcção deste partido, composto pelo presidente, Pedro Passos Coelho, pelos vice-presidentes, pelo líder parlamentar e pelo secretário-geral - esteve reunida esta manhã.

 

O debate na Assembleia da República do Programa do XXI Governo Constitucional, chefiado por António Costa, está marcado para quarta e quinta-feira. As moções de rejeição são votadas após o encerramento do debate.

 

O novo Governo do PS, que tomou posse na quinta-feira passada, é suportado por três acordos bilaterais entre os socialistas e o Bloco de Esquerda, o PCP e o PEV - que juntos somam 122 dos 230 deputados - assinados quando o anterior executivo PSD/CDS-PP ainda estava em funções.

 

Nesses acordos, o PS e os partidos à sua esquerda estabelecem que "rejeitarão qualquer solução que proponha um Governo PSD/CDS-PP" e que "derrotarão qualquer iniciativa que vise impedir a solução governativa alternativa".


(notícia actualizada às 14:20 com mais informação)




A sua opinião74
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado CONSCIÊNCIA 01.12.2015

Na primeira deslocação oficial como primeiro-ministro, o malabarista Costa discursou e enganou-se sobre a data de fundação da OTAN (1949; ele acha que é 1959) e sobre os membros fundadores (lembra-se que Portugal foi um deles; acha que a Turquia também). A notícia foi omitida na generalidade da comunicação social, tendo sido difundida pelas redes sociais.
Na primeira declaração sobre o instrumento de governo mais importante, o Orçamento de Estado, Costa fez divulgar pelos seus homens que ele poderia ser entregue na AR em Março, só após o fim do mandato de Cavaco, ao mesmo tempo que ia dizendo que o OE seria entregue «o mais depressa possível», sem, porém, alvitrar uma data. Foi mais uma picardia contra o PR, por parte do malabarista que se queixa de picardias, mais um comportamento hostil da parte de quem salga feridas que proclama querer sarar. Foi uma ligeireza e um vagar de pasmar no tratamento de instrumentos políticos fundamentais por parte do malabarista que tanto se queixava de quem não respeitava a sua pressa de tomar o poder.
Presente na Conferência Mundial sobre o Clima, em Paris, o malabarista Costa não quis falar por julgar que o facto de ser um dos últimos oradores sujava os seus putativos pergaminhos. Em Lisboa, os seus homens tentaram inculcar, em vão, a ideia de que fora o anterior governo que se esquecera de inscrever o país. Como depressa se viu que era mentira, a notícia desapareceu das peças televisivas sobre a conferência de Paris.
Os malabarismos de Costa para o assalto ao poder fizeram congelar decisões de investimento, do que resultou a desaceleração da taxa de crescimento e a estagnação da taxa de desemprego. Os serventes de Costa nas televisões esforçam-se penosamente por demonstrar que o abrandamento e a estagnação resultam da ação do anterior governo.
Entretanto, desapareceram do léxico das televisões o chico-espertismo e a impertinência de expressões como «gaffe», «irresponsabilidade», «recuo», «contradição», «polémica», e «só não explicou...». Na comunicação, com destaque para as televisões, os serventes curvam a espinha perante o bem-amado e sonham com assessorias no governo mais populoso da democracia. A informação nunca foi a sua missão

comentários mais recentes
Anónimo 02.12.2015

Paf Paf Paf ...

Anónimo 02.12.2015

é bom para empurrar mais o PS para a extrema-esquerda onde se vai estatelar.

Vera 02.12.2015

Abf quem vai emigrar nao tarda nada e o costa e parece que tu vais com ele... Espero bem...

Camelo 01.12.2015

Incompetentes! Vendedores da banha cobra! Falaram o país por 3 vezes! Não chega! O povo tem se revoltar e não aceitar estes comunas! Viva o 25 de Novembro! Comunismo nunca mais!

ver mais comentários
pub