Política "Não abdicamos do compromisso de reduzir as remunerações" da energia

"Não abdicamos do compromisso de reduzir as remunerações" da energia

O novo secretário de Estado da Energia, Artur Trindade, assegurou que o Governo mantém o compromisso de "reduzir as remunerações" pagas no sector da energia.
Ana Torres Pereira 27 de abril de 2012 às 17:34
“A redução de custos é prioritária na politica energética”, afirmou Artur Trindade, hoje durante a comissão parlamentar, solicitada pelo Bloco de Esquerda.

O actual secretário de Estado de Energia que veio substituir o demissionário Henrique Gomes, sublinhou que “o sistema eléctrico nacional percorre uma dinâmica de custos que não permite garantir uma sustentabilidade a médio longo prazo”.

O governante foi mais longe dizendo que as “emunerações são irrealistas e no futuro não vão poder ter cumprimento”.

Artur Trindade recordou que a evolução dos custos tem sido ascendente desde 2000, “acentuando-se em 2004 e o principal impulso é em 2006, sobem a um ritmo de 300 milhões ao ano culminando em 2011. Este Governo foi o único que não contribuiu”.

E foi mais longe ao garantir que “o governo vai ficar na história”, por ser o único que irá conseguir reduzir esses custos.

Uma das regras deste sector é que “cada vez que há renegociação (dos contratos), o interesse publico sai prejudicado”, concluiu.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
RCD1972 Há 3 semanas

vão cortar 0.2%!!!!!!
Coragem Audácia!!!!!!
Não tenho palavras ! que ímpeto reformador
Bravo Bravo Bravo......
Vão dar banho ao cão
Pior que a pior demagogia do governo do Socas
Ao menos esse tinha os no sitio!!!
O Governo mais cobarde que há memória....

Nuno Malta de Abreu Há 4 semanas

Muito bom dia Dr. Camilo Lourenço!
Admito e sempre admiti criticas negativas dede que fundamentadas!
O que não concebo, e é para mim incompreensível, é que um Jornal como o que o Sr. dirige permita determinado tipo de comentários aos artigos que publica, como dois dos que até agora sobre o assunto em apreço foram efectuados.
De facto, em nada enriquecem os vossos leitores, não passando de meras calunias e injurias, escritas e apostas por pessoas mal formadas, mal educadas e desprovidas de qualquer espirito critico construtivo. Ainda por cima, e acrescentando, eu diria cobardes também, já que ao surgirem sob a capa de anónimas nem sequer se assumem.
Aproveito para referir que ja procedi à denuncia desses dois comentários mas até agora nada foi feito.
Dr. Camilo, gostaria de aproveitar igualmente para lhe transmitir a minha elevada estima e consideração pessoais. Queira neste sentido aceitar por favor os meus melhores cumprimentos pessoais.

dis aliter visum Há 4 semanas

Queremos actos.

O relatório da terceira revisão do Programa de Ajustamento Económico mostra que Portugal cumpriu 59 medidas, cerca de metade do total, está a cumprir mais 30 medidas e tem 4 medidas “cumpridas e em curso”, portanto conclui-se que avaliação é positiva pois 75% das medidas foram já cumpridas ou estão em curso.

No entanto, há 10 medidas que o Governo não cumpriu:
• Revisão das leis das finanças locais e regionais (foi adiada para o segundo trimestre deste ano);
• Preparação da privatização da Parpública (adiada para Abril deste ano);
• Identificar as ineficiências e duplicações entre a Administração Central, regional e local (adiada para o terceiro trimestre deste ano);
• Reduzir a despesa pública no sector da saúde em 30% em 2012 e em 20% em 2013 (no memorando estão previstas mais reduções para os anos seguintes, o que pressupõe a diminuição de benefícios na saúde, para que o sector seja auto-sustentável em 2016);
• BAIXAR AS COMPENSAÇÕES AOS PRODUTORES DE ELECTRICIDADE;
• ADOPTAR MEDIDAS NO SISTEMA NACIONAL DE ELECTRICIDADE PARA QUE SEJA SUSTENTÁVEL;
• Lançar o concurso para designar o prestador do serviço universal nas telecomunicações (fixado até Outubro do ano passado, mas adiado porque as renegociações com a PT, detentora do contrato de concessão, não estão concluídas);
• Eliminar restrições não justificáveis na liberdade de estabelecimento e fornecimento extra-fronteiriço no sector da construção e imobiliário;
• Vender a participação que a CGD detém na Galp Energia;
• Lançar o concurso para escolha do consultor que vai elaborar um relatório sobre o funcionamento das autoridades nacionais de regulação.

http://cidadelusa.blogspot.pt/2012/04/o-governo-nao-cumpriu-10-medidas-do.html


Passos Coelho comprometeu-se a cumprir o memorando acordado com a troika. Mas não baixou as RENDAS EXCESSIVAS pagas aos produtores de energia eléctrica e às PPP's.

"Não podemos aceitar a hipocrisia dos que justificam a não renegociação com as PPP’s com o argumento do imperativo de honrar os contratos com a finança, mas não hesitam em ignorar e romper unilateralmente os contratos que têm com muitos milhões de portugueses! O roubo dos 13.º e 14.º meses aí estão para o provar! "
Do discurso da Associação 25 Abril na Praça do Rossio.

http://cidadelusa.blogspot.pt/2012/04/discurso-do-presidente-da-associacao-25.html

PoisPois Há 4 semanas

Se tiveces vergonha...
Não saías de casa.
Prostituta de caca.
Chegará o vosso tempo de prestar contas. Esperemos, porque chegará!

ver mais comentários
pub