Política Vítor Gaspar admite "aumento significativo nos riscos e incertezas"

Vítor Gaspar admite "aumento significativo nos riscos e incertezas"

O ministro das Finanças admitiu que os dados disponíveis sobre a execução orçamental, que serão apresentados na hoje, traduzem "um aumento significativo nos riscos e incertezas", mas reafirmou o objectivo de cumprir o défice para 2012.
Lusa 22 de Junho de 2012 às 00:24
Vítor Gaspar, que falava no Luxemburgo, no final de uma reunião dos ministros das Finanças da zona euro, indicou que "a informação disponível sobre o comportamento das receitas não é positivo", pois "de facto, verificaram-se valores abaixo do esperado para a receita fiscal e para as contribuições para a segurança social".

"Estes dados disponíveis traduzem um aumento significativo nos riscos e incertezas que estão associadas às expectativas orçamentais. O Governo está determinado a cumprir o teto para o défice de 4,5% para 2012, mas estamos totalmente conscientes de que o esforço necessário para atingir este valor é muito importante", declarou.

Vítor Gaspar sublinhou que está em curso no país "um ajustamento sem precedentes na história recente de Portugal", e a execução orçamental para 2012 é "muito exigente", pelo que, deste ponto de vista, "não é surpreendente" que se tenha de enfrentar mais riscos e incertezas.

Insistindo que "o Governo está determinado em cumprir o défice de 4,5 por cento para 2012" e que Portugal não tomará a iniciativa de pedir "nem mais tempo, nem mais dinheiro", Vítor Gaspar voltou todavia a lembrar que os parceiros do Eurogrupo já disseram repetidamente que se Portugal continuar a cumprir as condições do programa, mas se enfrentar dificuldades no regresso aos mercados por circunstâncias que não pode controlar, "estão disponíveis para prestar o apoio adicional necessário para assegurar o sucesso" do programa.

"Esta garantia de apoio, este mecanismo de seguro, é para nós um activo precioso e um factor muito importante para o sucesso" do programa, disse.




A sua opinião51
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 24.06.2012

Uma pequena (mas importante!) rectificação:

Não foram dois vencimentos confiscados, mas sim três: é frequente as pessoas (mesmo os visados) esquecerem-se que o corte dos subsídios deste ano e seguintes veio juntar-se ao corte de vencimento do ano passado (cujo valor, grosso modo, era equivalente a um dos subsídios), que se mantém em vigor.

TRAFULHICE!!! 22.06.2012

LERAM BEM??? LERAM??? O governo está rodeado de riscos e incertezas!!!!??? Há UM ANO, O PROBLEMA, O PROBLEMA nosso, DIZIAM ESTES GAJOS rePETIDAMENTE era a..."FALTA DE COMPETÊNCIA"!!? do GOverno de PS/Sócrates... AFINAL, PARA QUE SERVIU MUDAR De GOVERNO, se AINDA estamos pior, MUITO PIOR???

NÃO VOTO NELES 22.06.2012

QUAL é a DIFERENÇA desta conversa para a CONVERSA de...SÓCRATES e do PS????Nenhuma...
Já ALGuÉM se LEMBRA da rede de...INSTITUTOS a EXTINGUIR??? de FUNDAções??? Até HAVIA uma liSTA!!!( É cLARo que os HOSPITAIS+MATERNIDADES+TRiBUNAIS é que estão lista...) apresentada pelo GRILO FALANTE...MARQUES MENDES!..

Anónimo 22.06.2012

É melhor comprarmos mais um frasco de vaselina que este vai acabado...
E a forma prepotente como estes gajos dizem as coisas é de bradar aos céus..."VAMOS cumprir com o défice e NÃO vamos pedir mais tempo nem dinheiro! Nem que os portugueses todos morram aqui!"

ver mais comentários
pub