Eleições BE quer subsídio para todos os desempregados e recusa mexer no cálculo das pensões

BE quer subsídio para todos os desempregados e recusa mexer no cálculo das pensões

O Bloco de Esquerda (BE) vai incluir no seu programa eleitoral uma proposta para atribuir subsídio social de desemprego a todos os desempregados sem rendimentos e recusa mexer no cálculo das pensões futuras.
BE quer subsídio para todos os desempregados e recusa mexer no cálculo das pensões
Bruno Simão/Negócios
Lusa 30 de maio de 2015 às 20:05

Estes princípios programáticos foram apresentados este sábado, 30 de Maio, no Teatro Thalia, em Lisboa, como parte das "grandes linhas da proposta económica" do BE, um dos eixos do seu programa eleitoral que será conhecido no dia 21 de Julho.

 

No final desta sessão, o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, considerou que a Segurança Social "não deve ser atacada com reduções da Taxa Social Única (TSU) como propõem PS, PSD e CDS-PP", mas "pode e deve ter outras formas de financiamento", deixando uma proposta: "Alargar o financiamento da Segurança Social com uma taxa sobre o valor acrescentado bruto às empresas é o essencial para podermos ter uma saída que garanta a sustentabilidade da Segurança Social".

 

Antes, a coordenadora do BE, Catarina Martins, afirmou que os bloquistas recusam debater "cortes nas pensões" já constituídas, e também não aceitam fazer "cálculos sobre cortar as pensões no futuro", defendendo que "só se pode mexer na Segurança Social em períodos de crescimento económico, com a certeza de que isso trará mais solidariedade, trará mais capacidade, e não que isso vai descapitalizara mais a Segurança Social".

 

Em matéria de apoio aos desempregados, o BE compromete-se a "garantir o acesso a subsídio social de desemprego a todas as pessoas em situação de desemprego que não têm qualquer rendimento", uma medida que ficaria "sujeita a condição de recursos".

 

Na sua intervenção, que durou cerca de 50 minutos, Catarina Martins disse que há "770 mil desempregados e desempregadas em Portugal que não têm acesso ao subsídio de desemprego nem ao subsídio social de desemprego" e apontou-as como "pessoas a quem a crise tirou tudo".

 

O subsídio social de desemprego corresponde a "375 euros para pessoas sozinhas, 419 euros se tiverem família", referiu a coordenadora do BE.

 

"O custo total desta medida pode parecer alto: 2.200 milhões de euros. Mas o custo de não implementar esta medida é o custo de atentar contra os direitos humanos, e é isso que nós não podemos aceitar", defendeu, recebendo palmas.

 

Catarina Martins declarou que, "com a precarização, cada vez há menos jovens a cumprir os tempos de garantia para terem subsídio de desemprego pelo tempo de que precisavam".

 

"E, por outro lado, há milhares e milhares de pessoas neste país que trabalharam toda a vida, e que depois de uma vida de trabalho foram despedidas, mas ainda estão muito longe da idade da reforma. Vêem o subsídio de desemprego acabar, o subsídio social de desemprego acabar, e ficam sem nada", acrescentou.

 

"Não aceitamos que assim seja", reforçou.

 

A coordenadora do BE foi também aplaudida quando reiterou a defesa do fim imediato dos cortes salariais no sector público, rejeitando a sua devolução progressiva, em quatro anos, como propõe a coligação PSD/CDS-PP, ou em dois como propõe o PS.

 

"O Tribunal Constitucional considerou, e bem, que os cortes nos salários eram inconstitucionais, só podiam existir enquanto medida transitória, e portanto em 2016 já não poderiam existir", disse.

 

"O BE não debate sobre a forma de repor os salários. Quem trabalha por inteiro tem de ter direito ao seu salário por inteiro", acrescentou.


A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 31.05.2015

Alguem me consegue explicar qual a lógica de se estar a pagar subsidio de desmprego a um jovem que não tem trabalho, e ao mesmo tempo aumentar a idade da reforma para os que estão a trabalhar?
É preciso algum iluminado para ver que isto não afaz sentido nenhum?

comentários mais recentes
Anónimo 01.06.2015

AH,AH.Sim acho bem, aliás acho que devemos ser todos subsidiados.

topi 31.05.2015

Tambem tenho um cão que não trabalha, se houver um subsidio agradeço.

Criador de Touros 31.05.2015

Os bons políticos favorecem as contas do Estado, os bons investidores fazem bons negócios e limpos, as boas pessoas têm de ser cautelosas e são os bons resultados da vida que os justificam.

Criador de Touros 31.05.2015

Quanto ao resto, o criador de touros irá dar uma fortuna ao Estado em Agosto em impostos provenientes do fundo familiar que gere. Gostaria que o dinheiro que ganhei fosse bem aplicado pelo Estado. Na esquerda não confio.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub