Eleições PS consegue resultado histórico, PSD o pior de sempre e CDU com os melhores números desde 1997

PS consegue resultado histórico, PSD o pior de sempre e CDU com os melhores números desde 1997

O PS conquistou 149 câmaras, o que corresponde ao melhor número desde 1976. Já o PSD teve o pior resultado desde então. A CDU recuperou terreno perdido nos últimos 16 anos. O CDS conquistou mais quatro câmaras e o Bloco de Esquerda perdeu a única que tinha. Os independentes foram uma das surpresas da noite, tendo “roubado” câmaras com relevo aos partidos, num ano em que a abstenção bateu um novo recorde. Veja as conclusões dos resultados finais.
PS consegue resultado histórico, PSD o pior de sempre e CDU com os melhores números desde 1997
Correio da Manhã

A noite eleitoral foi marcada por algumas surpresas: Rui Moreira conquistou a câmara do Porto ao PSD, o PSD perdeu a hegemonia na Madeira, o PS perdeu Évora e Beja para a CDU, e perdeu também Braga, desta feita para o PSD, e a CDU reconquistou uma fatia importante a Sul do Tejo.

 

As autárquicas de 2013 são ainda marcadas pela reclamação de vitória de todos os partidos, à excepção do PSD.

 

PS com vitória histórica…

 

António José Seguro reclamou vitória, tendo o próprio parabenizado o PS pelo resultado eleitoral. Contabilizados os votos, o PS conquistou 149 câmaras municipais, mais 18 do que em 2009 e um recorde desde 1976.

 

Uma das grandes vitórias do PS nestas eleições foi em Lisboa, onde António Costa conquistou maioria absoluta. Mas as conquistas na Região Autónoma da Madeira não ficam atrás. O PS conseguiu três câmaras nesta região, onde não tinha nenhuma, tendo conquistado, em coligação, uma outra, sendo esta última de uma relevância maior: Funchal. Paulo Cafôfo, candidato da coligação PS/BE/PND/MPT/PTP/PAN será o novo presidente da Câmara Municipal do Funchal.

 

Com a conquista desta câmara, o PS consegue um total de 150 autarquias.

 

Mas a noite não contou apenas com saldo positivo. A percentagem de votos e o número de votos conseguidos pelo PS são inferiores aos obtidos em 2009. Além disso, o maior partido da oposição perdeu alguns bastiões, como Beja e Évora para a CDU, bem como Braga para o PSD, que conquistou a maioria absoluta naquele concelho.

 

No fim das contas, em termos de capitais de distrito, o PS perde para o PSD/CDS que têm, em conjunto, oito câmaras capitais de distrito. O PS fica com seis.

 

... e PSD com derrota histórica

 

O PSD “registou um dos seus piores resultados, ao nível daqueles no final dos anos 80 e início dos anos 90”, afirmou Passos Coelho no discurso de domingo à noite, numa altura em que ainda faltavam apurar várias câmaras. O primeiro-ministro admitiu uma “derrota nacional do PSD” e os números oficiais comprovam: o PSD foi o derrotado. E com resultados nunca antes registados.

 

O Partido Social Democrata conquistou 106 câmaras, já contabilizando as coligações, o que significa que perdeu 30 concelhos face a 2009 e que nunca antes tinha tido um resultado tão baixo. O número de câmaras mais reduzido conseguido pelo PSD foi 113, em 1989.

 

Em número de votos, o PSD teve a pior leitura desde 1983, tendo conseguido menos de 1,6 milhões de votos.

 

Uma das principais derrotas foi a câmara do Porto. Rui Moreira conseguiu “roubar” este concelho ao PSD, derrotando Luis Filipe Menezes, que ficou em terceiro lugar. Em Lisboa, Fernando Seara não conseguiu evitar uma maioria absoluta de António Costa. Perdeu Vila Nova de Gaia e Sintra. E, como referido anteriormente, perdeu também Funchal.

 

PSD Madeira perdeu sete câmaras

 

Alberto João Jardim é um dos derrotados. Tinha o pleno. São 11 câmaras e eram todas PSD. Estas eleições ditaram mudanças drásticas. O PSD ficou com quatro concelhos, tendo perdido inclusivamente o Funchal. A Lusa realça que o PSD/Madeira liderado por Alberto João Jardim, depois de 45 vitórias em actos eleitorais ao longo de 38 anos, obteve o pior resultado de sempre.

 

Alberto João Jardim relacionou mesmo os resultados na Região Autónoma da Madeira com o caminho seguido pelo PSD de Passos Coelho, que no seu discurso de derrota garantiu que vai manter o rumo. Não houve uma "demarcação entre PSD da Madeira e PSD nacional. Houve claramente uma penalização por causa da política nacional", afirmou durante a conferência de imprensa, numa altura em que os dados ainda não estavam todos contabilizados.

 

CDU com o melhor resultado desde 1997

 

Nos últimos anos a CDU tem vindo a perder força, mas nestas eleições recuperou parte das perdas. A coligação composta pelo PCP e PEV conseguiu 34 câmaras, sendo este o melhor resultado eleitoral desde 1997, ano em que conquistou 41 concelhos.

 

A recuperação da CDU em algumas câmaras foi expressiva. Em Évora "roubou" a câmara ao PS e conquistou maioria absoluta, assim como em Beja. No distrito de Setúbal, a CDU conquistou mais duas câmaras do que em 2009.

 

CDS conquista quatro novas câmaras

 

O partido liderado por Paulo Portas conseguiu, sozinho, cinco câmaras municipais, o que corresponde a uma melhoria face a 2009, altura em que só conseguiu um concelho. Este é mesmo o melhor resultado, por número de concelhos, desde 1997, ano em que o partido ficou com oito câmaras. Ainda assim, em número de votos e percentagem, os resultados do CDS sozinho ficaram aquém dos obtidos há quatro anos.

 

Paulo Portas declarou vitória. "Era um partido pequeno, não era?", foi com estas palavras que o líder centrista abandonou a conferência de imprensa.

 

BE perde a única câmara e não consegue eleger um vereador para Lisboa

 

O Bloco de Esquerda está entre os perdedores das eleições autárquicas de 2013. Em 2009, tinha conseguido conquistar a Câmara Municipal de Salvaterra. Quatro anos passados, perdeu este concelho e não conseguiu vencer em nenhum outro.

 

Além disso, João Semedo, que estava a candidatar-se à Câmara de Lisboa não conseguiu ser eleito vereador.

 

O Bloco de Esquerda conseguiu eleger oito vereadores por todo o país, menos um do que em 2009. Há quatro anos este partido conseguiu conquistar 3,02% do total dos votos. Este ano não chegou aos 2,5%.

 

Independentes conquistam 13 câmaras

 

Os independentes representaram algumas das surpresas da noite eleitoral, tendo conquistado 13 câmaras municipais, praticamente o dobro do obtido em 2009.

 

O Porto foi a vitória mais mediática, até porque representou uma surpresa, mas não foi a única. Em Oeiras o movimento Isaltino mais à frente, venceu as eleições. Em termos de capitais de distrito, além do Porto, Portalegre também passou para mãos de uma candidatura independente, liderada por Adelaide Teixeira que já era presidente da autarquia pelo PSD, mas que nestas eleições se candidatou como independente, e ganhou.

 


Abstenção atinge novo recorde

 

O número de pessoas que não votou aumentou, atingindo um novo recorde. A abstenção foi 47,41%, o que compara com 41% de abstencionistas nas autárquicas de 2009, e 39% nas de 2005.

 

Em três distritos do país  - entre os quais o maior, Lisboa - a percentagem de abstencionistas ultrapassou mesmo os 50%. Em Lisboa a abstenção chegou a 55,5%; em Faro foi de 52,9%, tendo o recorde sido registado no distrito de Setúbal, onde 58,3% dos eleitores inscritos não votaram.

 

E não foi apenas a abstenção que foi elevada. O número de votos em branco e nulos também cresceu. Este ano, 3,87% dos votos realizados foram brancos, o que corresponde a um aumento face a 2009, altura em a percentagem destes votos foi de 1,72%. Já os votos nulos aumentaram de 1,25% para 2,95%.




A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Marco António Há 3 semanas

PS teve a maior vitória autárquica desde que há democracia neste país.
O país passou a ser governado por uma "maioria" que não chega a 30% (trinta por cento) dos portugueses!
Parece que estamos em Cuba onde Raul Castro herdou o poder do irmão, Fidel.Qual é a diferença?
Balsemão e Guterres, em circunstâncias bem menos gravosas, demitiram-se! Esta corja de mentecaptos liderada por Passos Coelho, vai continuar agarrada ao tacho, SEM QUALQUER LEGITIMIDADE!
P.S.: Convém não esquecer que PSD e CDS, nem sequer concorreram coligados, o que reforça a ILEGITIMIDADE de se manterem agarrados ao tacho!

comentários mais recentes
JR Há 3 semanas

E daí, ter vencido as eleições autárquicas? Que eu saiba não foram as legislativas que dariam direito a substituição do governo. Assim, tudo irá ficar na mesma pois a constituição diz que, as eleições são para 4 anos a não ser que,, os democratas de esquerda, leiam a constituição conforme os seus desejos. e assim, será inconstitucional o desejo

Anónimo Há 3 semanas

Resultado histórico com menos 200.000 votos que nas últimas eleições
que perdeu?Deve lembrar-se que o PSD perdeu por burrice as câmaras
de PORTO,GAIA,SINTRA,VILA REAL.Pelo menos essas.E que a vitória só
pode contar com 20% dos eleitores inscritos.

Anónimo Há 3 semanas

ManagerLeague é o melhor jogo gratis online de treinador de futebol

http://www.managerleague.com/index.pl?ref=798425

Experimenta já

SNIPER Há 3 semanas

A abstenção continua a subir, não ha forma de escamotear este facto. Os portugueses cada vez mais não acreditam nos políticos, deixaram de ter qualquer credibilidade.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub