Presidenciais Candidatos às presidenciais apontam desigualdades nas 35 horas

Candidatos às presidenciais apontam desigualdades nas 35 horas

Os candidatos à Presidência da República concordam com a redução do horário de trabalho da Função Pública de 40 horas para 35 horas semanais. No entanto, não deixam de apontar a injustiça da medida para o sector privado.
Candidatos às presidenciais apontam desigualdades nas 35 horas
Bruno Simão/Negócios
Liliana Borges 19 de janeiro de 2016 às 21:56

O que pensam os candidatos às eleições presidenciais sobre a redução do horário de trabalho da Função Pública de 40 horas semanais para 35? A questão foi respondida por algum dos candidatos à Presidência da República. A maioria é unânime: concordam com a redução do horário de trabalho, no entanto lamentam as diferenças entre o sector público e o sector privado.

Henrique Neto: "Estou de acordo com o Governo, de acordo com tudo o que tem a ver com a reposição de direitos retirados, nomeadamente na reposição das remunerações. Tenho uma certa dificuldade em admitir que existem portugueses que têm diferentes condições. Mas apoio as decisões."

Vitorino Silva: "Sinto vergonha de trabalhar 35 horas e um colega que trabalha no privado trabalha 40 horas. Sou a favor da igualdade."

Jorge Sequeira: "Mais importante do que trabalhar muito é trabalhar bem e o importante é a eficácia. Não temos sido um país bem orientado. Não acredito em países subdesenvolvidos, mas sub-geridos. É uma questão de gestão. Eu proponho-me a ser um auditor de governação."

Paulo Morais: "Qualquer político que minta tem que sair da política. Há um aspecto positivo desta governação até hoje. António Costa tem cumprido os compromissos que prometeu. Agora temos de ver o próximo Orçamento do Estado."

Cândido Ferreira: "Ou há café para todos, ou não há café para ninguém. Ou há 35 horas de trabalho para todos, ou não há 35 horas de trabalho para ninguém."

Marcelo Rebelo de Sousa: "As 35 horas correspondem a um compromisso eleitoral numa de várias medidas que correspondem também a uma preocupação de reparar, ao menos parcialmente, aqueles que sofreram e muito ao longo dos últimos quatro anos, desde que não haja uma derrapagem, e o primeiro-ministro garante que não, eu não vejo razão para um futuro Presidente da República não acreditar no primeiro-ministro. Estamos na saída de uma crise, uma saída que não é rápida nem homogénea, nem fácil. Mas é fundamental que se saia da crise e haja mais justiça social."

Os candidatos às eleições presidenciais do próximo domingo, dia 24 de Janeiro, estiveram esta terça-feira, 19 de Janeiro num debate moderado pela RTP1. Ausente esteve Maria de Belém, que decidiu suspender todas as acções de campanha, em nome da morte do presidente honorário do Partido Socialista, Almeida dos Santos. 


[Notícia actualizada às 22h28]


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Filipe.Santos 19.01.2016

Há muita falta de informação: 1- Nem todos os que trabalham na função pública trabalham 40 horas: há funcionários com CIT a trabalharem 35 horas, lado a lado com quem trabalha 40 horas; 2 - Nem todos os que trabalham no privado trabalham 40 horas, que é o limite máximo. Há vários ACT em empresas privadas com horários semanais de trabalho inferiores: 35, 37, etc...; 3 - Na função pública há também quem tenha aumentado o salário para trabalhar 40 horas (médicos) e há quem tenha simplesmente ficado de fora da aplicação da lei das 40 horas (ex: professores); 4 - Há também CIT que já trabalhavam 40 horas antes da lei, mas que tiveram na altura um aumento salarial correspondente. Os jornalista deviam informar melhor... Quem criou a maior injustiça foi a própria lei das 40 horas ... Não vejo qual é o problema do estado dar o exemplo de um horário semanal inferior ao limite máximo, a exemplo do que fazem já algumas empresas privadas e IPSS.

comentários mais recentes
FUNC.PUBLICO LIIC.PRE BOLONHA C/42 ANOS SERVIÇO 20.01.2016

E A LEI DE APOSENTAÇÃO DO TEMPO DE SALAZAR PROS POLICIAS E GNR ? NINGUEM FALA PQ? 60 ANOS DE IDADE E MAXIMO 36 DE DESCONTOS. EU SOU OBRIGADO A TRABALHAR 48 ANOS PQ? , EU SOU BRANCO E NASCI EM PORTUGAL. JA BASTA TER DE FAZER DESCONTOS PARA DAR A CIGANOS.
ISTO É DEMOCRACIA?

rosinda 19.01.2016

em soliariedade com a rtp1 e alguns candidatos a presidencia da republica estive a assistir ao debate!

Anónimo 19.01.2016

Tenho um amigo no privado com a mesma profissão que eu (eu sou funcionário público). O vencimento base é semelhante. Tenho regalias como a ADSE (mas é bem paga por mim). Em princípio não serei despedido, mas não tenho estabilidade nenhum ao nível do local onde trabalho. O meu amigo tem: telemóvel topo de gama da empresa ilimitado, trabalha 37 horas semana, se trabalhar mais recebe mais, bom automóvel da empresa para uso pessoal, computador da empresa para uso pessoal, internet da empresa para uso pessoal, seguro de saúde pago pela empresa...Eu faço chamadas do trabalho no meu telemóvel, tenho que utilizar o meu carro para deslocações de trabalho e só me pagam miseravelmente os Km (e as pequenas deslocações que faço frequentemente não contam), tenho que usar um portátil que eu comprei com net que eu pago. Bem sei que muitos funcionários privados não estão na situação do meu amigo...muitos foram despedidos. Mas ... há vários lados nesta história e estão a contar sempre a mesma!

Filipe.Santos 19.01.2016

Há muita falta de informação: 1- Nem todos os que trabalham na função pública trabalham 40 horas: há funcionários com CIT a trabalharem 35 horas, lado a lado com quem trabalha 40 horas; 2 - Nem todos os que trabalham no privado trabalham 40 horas, que é o limite máximo. Há vários ACT em empresas privadas com horários semanais de trabalho inferiores: 35, 37, etc...; 3 - Na função pública há também quem tenha aumentado o salário para trabalhar 40 horas (médicos) e há quem tenha simplesmente ficado de fora da aplicação da lei das 40 horas (ex: professores); 4 - Há também CIT que já trabalhavam 40 horas antes da lei, mas que tiveram na altura um aumento salarial correspondente. Os jornalista deviam informar melhor... Quem criou a maior injustiça foi a própria lei das 40 horas ... Não vejo qual é o problema do estado dar o exemplo de um horário semanal inferior ao limite máximo, a exemplo do que fazem já algumas empresas privadas e IPSS.

pub
pub
pub
pub