Rendas Rendas aumentam 1% em 2014

Rendas aumentam 1% em 2014

O valor foi hoje publicado pelo INE em Diário da República e aplica-se a todos os tipos de arrendamento urbano e rural.
Rendas aumentam 1% em 2014
Filomena Lança 20 de Setembro de 2013 às 15:59

As rendas vão ser actualizadas no próximo ano em 1,0099%, de acordo com o aviso do Instituto Nacional de Estatística (INE) publicado esta sexta-feira, 20 de Setembro, em Diário da República. Este aumento, que se aplica a todos os tipos de arrendamento urbano e rural, é significativamente mais baixo do que o registado nos últimos dois anos e resulta da variação de preços registada em 2012, que é também ela menor. 

 

Em causa estão todas as rendas posteriores a 1966. Incluem-se aqui as rendas de mercado – todas as que são posteriores a 1990 –, mas também uma grande parte das designadas rendas antigas, cujos contratos os proprietários estiveram impedidos de denunciar anos a fio. Isso, associado a taxas de actualização muito desfasadas da inflação, implicou uma enorme desvalorização das rendas.

 

Embora não existam dados fidedignos para apurar com exactidão o número de pessoas abrangidas, é possível apontar para um universo de 700 mil agregados familiares. Os últimos censos do INE estimam que houvesse, em 2011, 627 mil contratos de arrendamento posteriores a 1975. Tendo em conta o forte dinamismo registado no mercado de arrendamento nos últimos anos, fruto das enormes restrições à concessão de novo crédito à habitação, é expectável que este número tenha aumentado.

No entanto, os contratos de arrendamento que estiverem a ser liberalizados ao abrigo da reforma do arrendamento urbano poderão ficar, para já, de fora desta actualização. Isso acontecerá nas situações em que se aplique o período transitório de cinco anos, previsto para os casos em que os inquilinos apresentam carências financeiras, têm idade superior a 65 anos ou grau de deficiência acima dos 60%. A lei refere que a renda agora fixada só será actualizada ao fim de cinco anos, data em que o contrato transitará para o novo regime de arrendamento urbano (NRAU), pelo que tem sido esta a interpretação de inquilinos e senhorios.


O aumento determinado pela variação de preços produz efeitos no mês de celebração do contrato de arrendamento. Já para as rendas anteriores a 1990, a actualização processa-se em Janeiro. Num caso e noutro, os proprietários têm de avisar formalmente o inquilino através do envio de uma carta onde indicam o novo valor resultante da actualização anual.




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 20.09.2013

Voces nem sabem o que dizem.. Portugueses, so se queixam de barriga cheia.. se fosse como aqui no Reino Unido iam ver.. Aqui, a renda se negoceia no fim de cada contrato (normalmente nao superior a 2 anos) e o MERCADO define o novo valor. ou seja, se o dono acha que a casa tem uma procura para 10%, propoe 10% e se o inquilino quiser aceita. se nao quiser, fora. Ponto final...
Claro, voces depois acham que nos paises ricos tudo 'e facil e bonito...enfim

comentários mais recentes
Anónimo 09.01.2014


Então há direito um andar moradia,T3 com garagem!

e o arrendatário pagar a módica quantia de 26 euros?
Estou escandalizado!
E ainda por cima têm tratado mal a senhoria idosa!
Não há leis? Então as novas leis do arendamento?

v. cruz 23.09.2013

É isto que a sociedade portuguesa sabe fazer; criar especulação e viver-se à custa do esforço alheio. Enquanto em Espanha com igual ou maior crise a infetar o sistema, procura-se não ir fundo demais e até não mexer nas pensões, neste momento com rendas congeladas, baixar juros a empréstimos, entre outras criações como a banca cívica em jeito de se entrar na economia sustentável (a sério, isto quando é governada pela direita); em Portugal é estrangular ao máximo a vida e a economia do país. A Europa empresta dinheiro a 1%, para depois a banca portuguesa pedir ossos, pele e a medula do povo. Naturalmente, cada país tem aquilo talvez que mereça em virtude da sua cultura ser de submissão continua, mas não sei se um dia não se irão chatear a sério da brincadeira e a coisa então sair bastante ruim a quem andou sempre a lixar o país e o povo.

Anónimo 21.09.2013

Atenção ao lapso: as rendas vão ser aumentadas em 0,99%. Portanto, há que multiplicar o valor da renda atual por 1,0099 para se obter a renda a pagar em 2014 e não por 1,0099% como por lapso é referido na notícia.

didi1954 21.09.2013

sim sim ... mas osomos um pais rico.
os inquilinos nestes anos todos viveram à grande e á francesa

Resposta de Ricardoa didi1954 22.09.2013

É preciso ver os dois lados, se ao valor da renda subtraíres 25% de IRS, o IMI, desvalorização do imóvel, obras, despesas para cobrar rendas, juros que ainda estão a pagar ao banco.... vais ver que sobra muito pouco ao senhorio, em muito dos casos garanto-te que mais valia ter o dinheiro no banco a render 0%. Depois, para muitos dos senhorios, os imóveis não foram herdados nem caíram do céu, são o fruto de muitos anos de ano e de gestão de prioridades.

ver mais comentários
pub