Rendas Venda de casas estagnou, mas arrendamentos aumentaram em Dezembro

Venda de casas estagnou, mas arrendamentos aumentaram em Dezembro

A compra e venda de imóveis estagnou em Dezembro, mas, em contrapartida, verificou-se um reforço da procura por arrendamento, revela o inquérito mensal do Confidencial Imobiliário e do RICS, divulgado esta quarta-feira, 3 de Fevereiro.
Venda de casas estagnou, mas arrendamentos aumentaram em Dezembro
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 03 de Fevereiro de 2016 às 13:36

A actividade de compra e venda de habitações estagnou em Dezembro, ao mesmo tempo que a procura por arrendamento continuou a reforçar-se, revela o último inquérito ao mercado da habitação, realizado pela RICS, consultora internacional de imobiliário, e pela Confidencial Imobiliário (Ci). Ainda assim, as empresas imobiliárias participantes no inquérito antecipam que esta seja uma tendência temporária e que as perspectivas apontam para que "as vendas retomem a sua trajectória ascendente no curto prazo".

 

No mercado de compra e venda de imóveis, o ritmo de consultas por potenciais clientes estagnou em Dezembro pela primeira vez desde o final de 2013, com o volume de vendas a manter-se também inalterado. Já do lado da oferta o sentimento de mercado não é igual entre os mediadores e os promotores imobiliários, com os primeiros a reportarem um ligeiro acréscimo das suas transacções enquanto os segundos dão conta de um declínio considerável das vendas.

 

No arrendamento registaram-se mais procuras ao longo de Dezembro, mas a oferta não acompanhou o ritmo, o que levou a que os valores das rendas habitacionais tenham voltado a subir, uma tendência que, aliás, já se regista "de forma constante ao longo dos últimos oito meses em Portugal". As expectativas dos inquiridos apontam para que assim continue nos próximos tempos, "prevendo mesmo um crescimento adicional das rendas no curto prazo", referem os responsáveis do inquérito em comunicado.

 

Apesar de as vendas terem estagnado em Dezembro, os preços continuaram a recuperar em todo o país. As expectativas do sector mantêm-se em terreno positivo, antecipando uma subida deste indicador em cerca 2% ao longo dos próximos 12 meses e a um ritmo médio de 4% ao ano durante os próximos cinco anos.

 

O Algarve lidera nas estimativas de subida de preços (na ordem dos 3%), seguem-se-lhe Lisboa e Porto (2% e 1%, respectivamente).

Ainda assim, segundo dados do INE, conforme o Negócios noticiou, foram vendidas 27.239 habitações no terceiro trimestre do ano passado, o valor mais elevado desde o último trimestre de 2010. 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub