Saúde Enfermeiros ameaçam com greve a 30 e 31 de Março

Enfermeiros ameaçam com greve a 30 e 31 de Março

O sindicato dos enfermeiros portugueses agendou esta terça-feira uma greve nacional para os dois últimos dias deste mês. No entanto, o sindicato admite que a reunião que terá no dia 22 com o Governo será decisiva para a concretização da greve.
Enfermeiros ameaçam com greve a 30 e 31 de Março
Negócios com Lusa 14 de março de 2017 às 11:44
O sindicato dos enfermeiros portugueses anunciou esta terça-feira, 14 de Março, uma greve geral nacional de 40 horas nos dias 30 e 31 de Março. No entanto, o sindicato vai ter ainda antes uma reunião com o Ministério da Saúde, que será decisiva para a concretização da greve.

O sindicato exige as 35 horas de trabalho semanais para todos os enfermeiros, a reposição do pagamento das horas de qualidade e o pagamento de 700 mil horas extraordinárias em dívida.

Segundo o presidente do sindicato, José Carlos Martins, haverá no dia 22 de Março uma reunião com o ministro da Saúde, que será "determinante" para concretizar ou não a greve.

Em declarações à agência Lusa, o sindicalista explicou que a greve vai decorrer durante 40 horas, abrangendo cinco turnos: desde as 08:00 de dia 30 de Março até às 24:00 de dia 31 de Março.

A decisão de avançar para a marcação de uma greve foi tomada pela Direcção Nacional do SEP numa reunião na segunda-feira ao fim do dia, que aprovou "um plano alargado de formas de luta".

Decisiva poderá ser, segundo o presidente do sindicato, a reunião da próxima semana com o ministro da Saúde, com os sindicalistas a esperarem que dela saia um documento escrito com um calendário de negociações em várias áreas.

Uma das reivindicações é a reposição do pagamento das horas de qualidade no próximo Orçamento de Estado e outra é o estabelecimento do instrumento normativo que permita o pagamento de 700 mil horas extraordinárias em dívida.

Os enfermeiros reclamam ainda as 35 horas de trabalho semanais para todos os profissionais, quando actualmente este regime ainda não abrange os enfermeiros em contrato individual de trabalho.

Por outro lado, o Sindicato acusa o Ministério da Saúde de discriminar negativamente vários profissionais de saúde ao impor a alteração do pagamento do trabalho extraordinário apenas aos profissionais que exercem funções nos serviços de urgência externa e nas unidades de cuidados intensivos.

Os enfermeiros reclamam ainda a admissão de enfermeiros para os cuidados primários, cuidados continuados, cuidados paliativos e saúde mental.

A greve de enfermeiros, que terá como habitualmente o cumprimento de serviços mínimos, pode afectar a realização de consultas, exames e cirurgias.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 14.03.2017

Qual é o preço de equilíbrio de mercado no mercado de enfermagem em Portugal (mesmo com todo o proteccionismo e subsidiação em vigor que garante um patamar mínimo de rendimentos aos enfermeiros)? Sabe-se que a procura tem vindo a aumentar gradualmente ao longo dos últimos 20 anos, mas por outro lado, a oferta explodiu no mesmo espaço de tempo a uma taxa muito superior ao crescimento da procura. Pensem um bocadinho e leiam uma noções de economia para entender que não podem esperar remunerações mais elevadas pois ela têm, segundo as condições de mercado, tendência para até diminuírem em valor.

comentários mais recentes
Anónimo 14.03.2017

Qual é o preço de equilíbrio de mercado no mercado de enfermagem em Portugal (mesmo com todo o proteccionismo e subsidiação em vigor que garante um patamar mínimo de rendimentos aos enfermeiros)? Sabe-se que a procura tem vindo a aumentar gradualmente ao longo dos últimos 20 anos, mas por outro lado, a oferta explodiu no mesmo espaço de tempo a uma taxa muito superior ao crescimento da procura. Pensem um bocadinho e leiam uma noções de economia para entender que não podem esperar remunerações mais elevadas pois ela têm, segundo as condições de mercado, tendência para até diminuírem em valor.

Anónimo 14.03.2017

Isto é a maior das vergonhas... Podiam até ter a maior das razões, mas perdem-na logo toda porque invariavelmente marcam sempre as greves para fazer ponte com os fins de semana... CHULAGEM VERGONHOSA! Não há quem faça frente a estes sindicalistas (embora os sindicalizados se deixem manipular, porque também lhes convém) pagos pelos nossos impostos. Há gente desta 300 e muitos que já nem sabem onde era o seu posto de trabalho, porque há décadas que não lá vão. Onde há sindicalistas privados que não tenham de fazer o seu horário de trabalho? Sim, ONDE? Pagamos todos (os privados) e ficamos sem assistência nos hospitais e centros de saúde... Isto é realmente um "ganda paísão" não?

Mr.Tuga 14.03.2017

OBVIO!
Teriam de vir de seguida (aos medicos) estes PARASITAS a MAMAR da teta do CONTRIBUINTE!
Mas a culpa é exclusiva dos xuxas e geringonços! Com esta seita, dá-se 1 dedo e eles querem a mão...

Não importa se o CONTRIBUINTE do privado está todo roto!!!! O importante é a rapaziada FP feliz...

Anónimo 14.03.2017

É por isso que o Serviço Nacional de Saúde tem os dias contados. Os verdadeiros enfermeiros são aqueles que trabalham nos serviços das urgências. Os outros é ver o que fazem nos locais de trabalho. Estão sentados a falar do sindicato.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub