Saúde Lei do tabaco estende restrições a cigarros electrónicos

Lei do tabaco estende restrições a cigarros electrónicos

A partir de Janeiro, o consumo de cigarros electrónicos passará a estar sujeito às mesmas restrições que o tabaco tradicional. Fumar à entrada de hospitais e escolas também será proibido, escreve o Público.
Lei do tabaco estende restrições a cigarros electrónicos
Bloomberg
Negócios 07 de setembro de 2016 às 09:13

O Governo está a ultimar uma proposta de lei onde aplica aos cigarros electrónicos as mesmas proibições que actualmente já existem para os cigarros tradicionais. Ao mesmo tempo, estabelece a proibição de fumar junto a entradas de hospitais, escolas e outros estabelecimentos de ensino, de modo a evitar que o ambiente interior seja contaminado pelo fumo.

 

A notícia é avançada esta quarta-feira pelo jornal Público, a partir de um projecto de proposta de Lei que está em preparação, que estabelece a data de Janeiro de 2017 para a entrada em vigor das novas alterações.

 

Lembrando que em Portugal o consumo de tabaco é a primeira causa de morbilidade e de mortalidade evitáveis, que se estima atingir mais de dez mil pessoas por ano, o Governo quer que o tabaco electrónico passe a obedecer às mesmas regras que os demais. Não só fica o seu consumo sujeito às mesmas restrições, mas também obrigando à colocação de avisos na rotulagem, que cubram pelo menos 30% da superfície da embalagem. Outro objectivo do diploma é proibir a existência de mensagens publicitárias que aleguem que um tipo de tabaco tem efeitos menos nocivos para a saúde do que outros, relata o jornal.

 

Ainda segundo o Público, nos locais destinados a menores de 18 anos, nos estabelecimentos de ensino e nos estabelecimentos onde sejam prestados cuidados de saúde, passa também a ser proibido fumar no exterior em áreas situadas "junto às portas e edifícios", numa distância mínima que impeça a entrada de fumo para o interior do edifício.

 

As propostas de alteração à Lei do Tabaco surgem pouco tempo depois de terem entrado em vigor medidas mais restritivas para o tabaco tradicional, por força de uma directiva europeia. 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 07.09.2016

Um destes dias passa a ser proibido andar-se perfumado em locais públicos.

comentários mais recentes
Anónimo 25.05.2017

Qualquer dia será proibido tomar banho em casa, ou em uma sauna. vai entender.

olharapo 07.09.2016

'RICANTONIO' tens problemas respiratórios ' a DPOC '
Interdita os incêndios , a poluição dos carros , os gases dos descuidados , as cozinhas , as fábricas que emitem fumos e maus cheiros , enfim , limita-se a vida dos outros todos para alguns poderem viver.

SOUDAQUI 07.09.2016

Não seria melhor proibir a venda e pronto, mas depois onde iriam cobrar o imposto que o tabaco dá?
Ah já sei aos combustiveis, mas óh diabo tambem poluem!

Anónimo 07.09.2016

Restringir o uso do cigarro e para vêr se a Tabaqueira Nacional recupera alguma receita perdida. Hão-de explicar em que medida o vapor de agua produzido pelo Cigarro E prejudica a saúde de algum terceiro n fumador.

ver mais comentários
pub