Saúde O que está a correr bem e mal na saúde em 10 gráficos

O que está a correr bem e mal na saúde em 10 gráficos

O SNS está a oferecer mais cuidados mas persistem vários problemas. Em 10 gráficos veja o que está a correr bem e mal na saúde.
O que está a correr bem e mal na saúde em 10 gráficos
Sara Matos

Após o choque do ajustamento forçado pelo pedido de assistência financeira, o Serviço Nacional de Saúde está mais estabilizado e conta com um número crescente de consultas e intervenções cirúrgicas, bem como mais médicos e enfermeiros. A esperança média de vida após os 65 anos continua a comparar bem internacionalmente.   

 

 

O pior parece estar para trás na crise da saúde, mas o SNS continua com dificuldades. Os tempos de espera cresceram em 2016, as famílias são chamadas a um esforço financeiro significativo com a Saúde e o reforço de verbas no Orçamento nem chega para aumentar o peso do sector na economia.

 

Os 10 gráficos que mostram o que está a correr bem e mal na saúde


Oito situações onde o SNS responde bem e mal

Os números ajudam a perceber quanto é que se tem investido em Saúde nos últimos anos e também permitem perceber como é que Portugal compara com outros países nos cuidados de saúde que presta aos seus cidadãos. Estes oito indicadores - positivos do lado esquerdo e negativos do lado direito - retirados do Health at a Glance deste ano da OCDE dão mais pistas sobre o desempenho do SNS.


• Diabetes
Crianças entre as menos afectadas

As crianças portuguesas estavam, em 2015, entre as que eram menos afectadas pela diabetes de tipo I. Na OCDE, 1,2 crianças em cada mil, em média, sofria desta doença. Em Portugal, esse número era de 0,9 em cada mil. Parece ser uma inversão da tendência registada nos adultos: em 2015 9,9% dos adultos tinham diabetes acima da média de 7%.

0,9
Crianças com diabetes
As crianças portuguesas são das que menos sofrem de diabetes.

• Asma e doenças pulmonares
Portugal entre os melhores

Portugal é, a seguir ao Japão e à Itália, o país em que existem menos internamentos devido a asma ou doença pulmonar obstrutiva crónica. Em 2015, foram hospitalizadas 74 pessoas em cada 100 mil com estas doenças. A média da OCDE (35 países) é muito superior: 237 pessoas em cada 100 mil.

• Complicações cirúrgicas
Tratamentos são mais seguros

Em 2015, Portugal estava entre os países que apresentavam menos complicações relacionadas com cirurgias, pontuando melhor do que a média no que toca a corpos estranhos deixados dentro dos pacientes, na sépsis pós-operatória e especialmente na incidência de embolia pulmonar pós-operatória e trombose após cirurgia à anca ou ao joelho.

46
Tromboses por 100 mil altas
Após operação aos joelhos ou anca. A média da OCDE é de 357 tromboses.

• Obstetrícia
Nascimentos são dos mais seguros

A existência de traumas obstétricos é muito mais raro em Portugal do que na generalidade dos países da OCDE. Numa comparação com 21 países, Portugal é o quinto país em que existem menos complicações nas grávidas quando estas dão à luz em partos vaginais (não são avaliadas as cesarianas).


• Fractura da anca
Portugal demora mais a operar

Em 2015, Portugal estava entre os países da OCDE que mais demoravam a operar doentes com fractura da anca. Enquanto que na Noruega 96% dos pacientes eram alvo de intervenção nos primeiros dois dias, em Portugal só 46,5% dos doentes eram operados nesse período. Em 2005, Portugal operava quase 60% dos doentes nesses dois dias.

46.5%
Doentes com fractura da anca
São os doentes operados à anca em dois ou menos dias em Portugal.

• Demência
Prevalência é das mais altas da OCDE

A prevalência da demência em Portugal é a quarta mais alta entre os países da OCDE, o que espelha o envelhecimento da sociedade portuguesa. A organização estima que, este ano, 19,9 em cada mil portugueses sofra desta doença neurodegenerativa. Em 2037 já serão 31,3, terceira pior marca na OCDE.

• AVC
Mortalidade é das mais elevadas

A mortalidade em Portugal por acidentes vasculares cerebrais até um mês após o internamento é uma das mais elevadas da OCDE. No caso dos AVC isquémicos (85% do total), em que há uma interrupção na chegada de sangue ao cérebro, Portugal regista 9,9 mortes em cada 100 casos em 30 dias, acima da média da OCDE de 8,2 mortes.

9,9
Mortes em cada 100 casos
Há mais mortes em Portugal na sequência de AVC do que na OCDE.

• Cancro colo-rectal
Poucas melhorias desde 2005

Portugal está entre os países da OCDE onde se regista uma maior mortalidade devido a cancro colo-rectal, com 28,2 mortes em cada 100 mil pessoas. A melhoria neste indicador face a 2005 foi muito ligeira. A média da OCDE (35 países) é de 23,9 mortes por cada 100 mil pessoas.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 23.12.2017

Na Austrália ainda em 2015 foi assim... Despediram centenas de colaboradores em excesso nos hospitais the Perth. E isto é apenas um entre tantos exemplos que nos vão chegando do mundo mais desenvolvido. Outras realidades económico-sociais é facto. A começar pela realidade político-legal. Mas Portugal poderia fazer um pouco melhor do que aquilo que faz em relação a este flagelo que tanto estorvo e dano causa ao seu desenvolvimento económico e progresso social. "Jobs to go at overstaffed Perth hospitals to contain costs, Premier Colin Barnett says" www.abc.net.au/news/2015-10-21/jobs-to-go-at-perth-hospitals/6872952

comentários mais recentes
Ciifrão 26.12.2017

O SNS não vive, sobrevive no meio de pressões públicas e reações políticas. Com os recursos disponíveis era possível fazer-se bastante melhor, bastava usar outros critério nos tratamentos, sem médicos a despacharem doentes para exames inúteis porque assim ninguém os vai acusar de serem negligentes. Morrer da doença é mau, da cura deveria ser pior.

Anónimo 25.12.2017

Com este défice socialista próximo de zero pelas piores razões, temos pessoas incineradas nas vias públicas e dentro de suas casas, paióis assaltados, gente a morrer por causa de ter ido a um hospital público em vez de ter ficado em casa, e muito excedentário a consumir produtos importados e a crédito, desenfreadamente, como se não houvesse amanhã.

Tentando Perceber a Política 25.12.2017

Nas últimas décadas Considero Estes últimos dois anos os melhores anos na Saúde, para não falar nos 4 Anos de Passos Coelho, PSD/CDS que foram um Retrocesso de 30 anos.

Anónimo 23.12.2017

E assim se morre em Poortugal à espera de um avião de combate a fogos, de uma intervenção policial, de um diagnóstico, de uma ambulância urgente ou de uma intervenção cirúrgica enquanto o Estado de Bem Estar salarial mantém carreiras sempre a subir que em parte alguma do mundo desenvolvido, onde, não por acaso, se desenvolvem a aeronáutica, as armas de vária categoria, as câmaras e sensores de segurança e todo o equipamento hospitalar, se justificam.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub