Agricultura e Pescas Gomes da Silva: "Espero que o eucalipto não tenha acabado"

Gomes da Silva: "Espero que o eucalipto não tenha acabado"

A floresta era o tema da ida de Francisco Gomes da Silva, secretário de Estado da tutela, ao Parlamento esta quarta-feira, e a discussão não conseguiu evitar o eucaliptal.
Gomes da Silva: "Espero que o eucalipto não tenha acabado"
Bruno Simão/Negócios
Isabel Aveiro 23 de julho de 2014 às 20:54

O plano estratégico para a Floresta poderá "conduzir a um aumento de área da generalidade das restantes espécies", mas "essa preocupação não existe com o eucalipto", defendeu esta quarta-feira Francisco Gomes da Silva.

 

Confrontado com a pergunta da deputada Helena Pinto, do Bloco de Esquerda, sobre o facto de, de acordo com o documento apresentado esta quarta-feira no Parlamento – e preparatório da versão final da estratégia para a floresta – o eucaliptal já ter "ultrapassado [em área] a meta de 2030" e se "parou o eucalipto no nosso país", Gomes da Silva respondeu: "Eu espero que o eucalipto não tenha acabado".

 

"Não é uma meta que aí está", frisou o governante. O que o documento aponta "são cenários de um futuro desejado", referindo-se à apreciação do valor dos 800 mil hectares com ocupação de eucalipto.

 

Para o secretário de Estado da tutela, a questão não é a área. É o que se retira dela e em que quantidade. "Não é necessário aumentar as áreas para que se aumente a disponibilidade de matérias-primas" em cada área, dando o montado de sobro e a extracção da cortiça. "Olhar apenas para a área não é relevante – não é uma questão", frisou.

 

Com uma melhoria de 140 milhões de euros em 2013, o saldo da balança comercial dos produtos florestais foi excedentário em 2,5 milhões de euros em, 2013, com a área do "papel e cartão" a exceder o peso, pela primeira vez, da cortiça na conta final.

 

O saldo da categoria "papel e cartão" registou um acréscimo das vendas externas de 69,2 milhões de euros, passando o seu saldo a ser excedentário em 742,6 milhões de euros. Já a cortiça, "tradicionalmente considerado como líder neste indicador", registou um saldo de 700,4 milhões de euros.

 

Na categoria de "pasta de madeiras" o saldo, positivo, foi de 469,6 milhões de euros. E na madeira, embora se tenha verificado um decréscimo de 9,1 milhões de euros, foi atingido "um excedente global de 125,4 milhões de euros".


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado parolo 23.07.2014

A única " Industria " QUE OS ALEMÃES NÃO NOS TIRARAM.Porque será???

comentários mais recentes
Anónimo 31.07.2014

Será que é porque polui imenso?

parolo 23.07.2014

A única " Industria " QUE OS ALEMÃES NÃO NOS TIRARAM.Porque será???

pub
pub
pub
pub