Agricultura e Pescas Preço do leite caiu seis cêntimos em 2015

Preço do leite caiu seis cêntimos em 2015

A Associação de Produtores de Leite voltou a criticar os preços em Portugal, “vários cêntimos abaixo do custo de produção”, e alertou para a possibilidade do desaparecimento da auto-suficiência neste sector no país.
Preço do leite caiu seis cêntimos em 2015
Reuters
Alexandra Noronha 11 de janeiro de 2016 às 10:21

A Associação de Produtores de Leite de Portugal (APROLEP) alertou esta segunda-feira para a situação complicada em que se encontra o sector por causa da descida dos preços. "Terminámos o ano com um preço médio ao produtor a rondar 28 cêntimos, menos 6 cêntimos do que em Dezembro de 2014, dois cêntimos abaixo da média comunitária e vários cêntimos abaixo do custo de produção, que deverá aumentar em 2016", adiantou a APROLEP em comunicado.

A associação recordou ainda que o país continua a importar produtos lácteos, "provocando um défice anual de 200 milhões de euros".

"Considerando o efeito da inflação, o consumidor português pode hoje adquirir leite a metade do preço que se registava em Portugal há 30 anos, aquando da adesão à CEE", explicou a APROLEP.

A associação reconhece que houve melhorias de eficiência na fileira, mas garantiu ainda que, em paralelo, se assistiu a "uma grande desvalorização do leite, usado como isco para atrair consumidores à custa de derreter totalmente a margem do produtor para baixo do custo de produção, sem falar dos mais recentes ataques ao leite como alimento que beneficiam bebidas vegetais alternativas".


A associação referiu ainda que esta situação tem sido "desastrosa" para as "seis mil famílias que sobrevivem a produzir leite nacional". "Sem uma actuação patriótica e responsável da indústria e distribuição, sem a supervisão activa do Governo, iremos certamente assistir ao desaparecimento das poucas famílias cujo trabalho ainda permite a auto-suficiência na produção de leite em Portugal", referiu a APROLEP.

A associação apelou ao novo Governo que tenha em conta a situação do sector, nomeadamente no que diz respeito aos preços. E pediu ao Executivo "que desafie a distribuição a assumir o compromisso de garantir um preço justo e um tratamento digno para os fornecedores, tal como foi acordado há meses em França (apontando preços de 34 cêntimos ao produtor) e, mais recentemente, em Espanha (garantindo aumentos de 2 cêntimos)".



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Gatunos Há 2 semanas

Nesta escumalha de país governados por gatunos, corruptos e traidores, especializados a baixarem as cuecas aos "mercados" o que está a dar é fo,d,er tudo o que se produz em Portugal, pondo a escumalha do povo Tuga no desemprego e na miséria, e importar tudo.
A escumalha do povo Tuga cada vez mais pobre e mais reles, por um cêntimo prefere comprar o que é estrangeiro, em vez de comprar produtos produzidos e fabricados em Portugal, portanto o reles povo Tuga tem tudo o que merece.

luiz Há 2 semanas

Está na hora das associações de produtores de leite se unirem para confrontar o responsável governativo pelo sector no sentido de exigir hás grandes superfícies que comecem a comprar o leite fabricado em Portugal. Deve acabar essa humilhação por partes desses grandes G Econômicos.

pub