Vinho Produção mundial de vinho em mínimo de 60 anos. Em Portugal aumenta

Produção mundial de vinho em mínimo de 60 anos. Em Portugal aumenta

A produção mundial de vinho caiu 8,6% no ano passado para o valor mais baixo em seis décadas, revelou terça-feira a Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV). Em Portugal a produção vinícola aumentou 10%.
Produção mundial de vinho em mínimo de 60 anos. Em Portugal aumenta
Direitos Reservados
Pedro Curvelo 24 de abril de 2018 às 18:44

A produção mundial de vinho cifrou-se em 250 milhões de hectolitros, menos 8,6% do que em 2016 e um mínimo desde 1957, ano em que a produção foi de 173,8 milhões de hectolitros, revela um relatório da Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV), sedeada em Paris.

As condições climáticas adversas penalizaram os principais produtores vinícolas da União Europeia (UE), tendo a produção no conjunto da União recuado 14,6%, para 141 milhões de hectolitros.

Em Portugal, 11.º maior produtor mundial, contudo, a produção aumentou 10%, atingindo os 6,6 milhões de hectolitros, o segundo valor mais elevado dos últimos cinco anos, apenas atrás dos 7 milhões registados em 2015.

A OIV estima que a produção em Itália tenha descido 17%, para 42,5 milhões de hectolitros, enquanto em França a queda foi de 19%, para 36,7 milhões de hectolitros, e em Espanha a quebra foi de 20%, para 32,1 milhões de hectolitros. Estes são os três maiores produtores de vinho a nível mundial.

A produção manteve-se relativamente estável nos EUA (-1%), o quarto maior produtor mundial, e na China, sétimo maior produtor, registou-se uma queda de 5%.

A Argentina, sexto maior produtor, registou uma subida de 25%, beneficiando do facto de 2016 ter sido um ano com uma produção excepcionalmente baixa. No Chile, nono produtor, assistiu-se a um decréscimo de 6%.

O consumo mundial de vinho aumentou 0,7%, para os 243,3 milhões de hectolitros.

Os EUA mantiveram-se como maior mercado mundial, com 32,6 milhões de hectolitros consumidos, uma subida de 2,9%. Seguem-se a França, com 27 milhões (-0,4%). A China registou um aumento de 3,5%, para 17,9 milhões de hectolitros, ocupando o quinto posto.

Portugal, com 4,5 milhões de hectolitros consumidos, registou uma descida de 2%, mantendo o 12.º lugar entre os consumidores de vinho. Em termos de consumo por habitante (com mais de 15 anos), Portugal lidera a lista, com 51,4 litros de vinho por pessoa, à frente da França (51,2 litros).

Espanha lidera o ranking de exportadores em termos de volume, com 22,1 milhões de hectolitros, o que corresponde a 20,5% do total. No entanto, em termos de valor é a França a líder mundial, com vendas de nove mil milhões de euros.


Portugal é o nono maior exportador por volume, com 2,9 milhões de hectolitros vendidos ao exterior (2,7% do total), e por valor, com 752 milhões de euros em exportações (2,5% do total).

As exportações de vinho ascenderam a 107,9 milhões de hectolitros em 2017, uma subida de 3,8%, e a 30,4 mil milhões de euros, mais 5,1% do que em 2016.




pub