Automóvel Linhas de montagem da Mercedes-Benz vão trocar robots por pessoas

Linhas de montagem da Mercedes-Benz vão trocar robots por pessoas

A Mercedes vai trocar os robots por pessoas na produção dos Classe S. Segundo a marca, a produção destes carros exige adaptabilidade e flexibilidade, dois atributos em que os humanos superam as máquinas.
Linhas de montagem da Mercedes-Benz vão trocar robots por pessoas
Bloomberg
André Vinagre 26 de fevereiro de 2016 às 15:44

Contrariando a tendência actual, a Mercedes-Benz vai substituir os robots por pessoas na produção dos veículos de luxo do modelo Classe S na linha de montagem da fábrica alemã de Sindelfingen, escreve esta sexta-feira, 26 de Fevereiro, o The Guardian.

 

"Os robots não conseguem lidar com o nível de individualização e com as muitas variantes que nós temos hoje. Estamos a poupar dinheiro e a garantir o nosso futuro empregando mais gente", disse à Bloomberg Markus Schaefer, director de produção da Mercedes-Benz.

 

A fabricante automóvel alemã diz que os robots não conseguem acompanhar o ritmo e a complexidade das opções de personalização disponíveis para o modelo Classe S, que inclui suporte de copos aquecidos ou refrigerados, vários tipos de volantes, detalhes em fibra de carbono e até quatro tipos de tampas para as válvulas dos pneus.

 

Nesta fábrica de Sindelfingen, onde são produzidos cerca de 400 mil automóveis por ano e onde são gastas 1.500 toneladas de aço por dia, os robots não conseguem acompanhar a montagem dos Mercedes Classe S, tarefa que requer adaptabilidade e flexibilidade, características em que os humanos superam as máquinas. O The Guardian diz que os profissionais treinados podem alterar a linha de produção em apenas uma semana, enquanto os robots demoram semanas a reprogramar.

 

"Estamos a afastar-nos da ideia de maximizar a automação, com as pessoas a participarem mais nos processos industriais novamente. Temos de ser flexíveis", disse Markus Schaefer.

 

De acordo com a Federação de Robótica Internacional, a indústria automóvel é a que mais utiliza robots industriais, contabilizando cerca de 100 mil unidades enviadas em 2014.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado beachboy 27.02.2016


...lol...
...a Volvo já tinha descoberto isso à 20 anos!...

comentários mais recentes
Anónimo 04.03.2016

A Mercedes vê a longo prazo os problemas que a falta de trabalho pode trazer, e pena que os governos andem a
dormir e ignorem este flagêlo.

beachboy 27.02.2016


...lol...
...a Volvo já tinha descoberto isso à 20 anos!...

Anónimo 26.02.2016

Quando ha excedente de pessoas e uma boa ideia.As pessoas fazem a economia,o robot e monotono.

pub
pub
pub
pub