Automóvel Lucro da Volkswagen sobe 2,1% mas grupo antecipa um segundo semestre "difícil”

Lucro da Volkswagen sobe 2,1% mas grupo antecipa um segundo semestre "difícil”

O grupo Volkswagen (VW) fechou a primeira metade do ano com lucros de 6.613 milhões de euros, mais 2,1% do que em igual período de 2017. A fabricante automóvel alemã prevê um segundo semestre difícil.
Lucro da Volkswagen sobe 2,1% mas grupo antecipa um segundo semestre "difícil”
Pedro Curvelo 01 de agosto de 2018 às 14:06

O grupo Volkswagen (VW), que integra as marcas Volkswagen, Audi, Skoda, Bentley, Seat e Porsche, fechou a primeira metade do ano com lucros de 6.613 milhões de euros, mais 2,1% do que em igual período de 2017, informou esta quarta-feira a fabricante automóvel alemã, que prevê um segundo semestre difícil devido à implementação dos novos testes de emissões (WLTP) e ao proteccionismo.

Os resultados semestrais foram impactados por custos extraordinários de 1.635 milhões de euros devido ao escândalo na manipulação dos dados de emissões nos veículos a diesel. Este montante inclui a multa de mil milhões de euros aplicada em Junho pela justiça alemã. Até agora, o grupo já constituiu provisões de 27.400 milhões de euros devido ao "dieselgate".

Desta forma, o resultado operacional caiu 8,5% nos primeiros seis meses do ano, para os 8.160 milhões de euros, enquanto a rentabilidade operacional (margem EBITDA) desceu de 7,7% para 6,8%.

A facturação no primeiro semestre ascendeu a 119.377 milhões de euros, uma subida homóloga de 3,5%, graças a vendas recorde de 5,52 milhões de veículos, mais 7,1% do que na primeira metade do ano passado.

O CEO do grupo, Herbert Diess (na foto), que assumiu funções em Abril, considerou que as vendas e os lucros foram "muito sólidos", mas advertiu para os "grandes desafios" nos próximos trimestres, em particular a implementação do WLTP e o aumento do proteccionismo.

Para este ano, o grupo VW prevê uma subida na facturação na ordem dos 5% e uma margem EBITDA entre 6,5% e 7,5%. Já no que toca a volume de vendas, as estimativas apontam para um acréscimo muito ligeiro face a 2017.




pub