Automóvel Ministério da Economia espera um acordo na Autoeuropa

Ministério da Economia espera um acordo na Autoeuropa

O Ministério da Economia "está a acompanhar a situação na Autoeuropa", cuja fábrica de Palmela está paralisada devido à greve, e "espera que haja acordo entre ambas as partes", disse hoje à Lusa fonte oficial.
Ministério da Economia espera um acordo na Autoeuropa
Lusa 30 de agosto de 2017 às 12:35

Os trabalhadores da Autoeuropa (do grupo alemão Volkswagen) iniciaram hoje de manhã o segundo turno de greve contra o trabalho obrigatório aos sábados que teve início às 23:30 de terça-feira e termina às 00:00 de quinta-feira.

Contactada pela Lusa, fonte oficial disse que o "Ministério da Economia está a acompanhar a situação na Autoeuropa e espera que haja acordo entre ambas as partes", isto é, entre os trabalhadores e a administração da empresa.

A fábrica de automóveis da Autoeuropa em Palmela "está completamente paralisada em todas as secções" devido à greve, disse à Lusa fonte sindical.

"Tal como prevíamos, está a haver uma forte adesão à greve. Isto prova que os trabalhadores se identificam com os motivos que levaram a esta paralisação", disse Eduardo Florindo, do Sitesul, Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul.

"Há centenas de trabalhadores em greve que estão concentrados aqui à entrada da empresa", acrescentou Eduardo Florindo, salientando quer os sindicatos continuam a aguardar por uma resposta ao pedido de reunião que fizeram à administração da Autoeuropa.

Os cerca de 3.000 trabalhadores que participaram nos plenários realizados na segunda-feira aprovaram uma resolução a confirmar a rejeição dos novos horários, particularmente pela imposição do trabalho aos sábados.

De acordo com o sindicato Sitesul, com os novos horários que a empresa pretende implementar, cada trabalhador só teria direito a gozar dois dias de folga consecutivas de três em três semanas, quando, a juntar ao dia de folga fixa, domingo, a folga rotativa fosse ao sábado ou à segunda-feira.

A administração da Autoeuropa só se deverá pronunciar depois da greve, que termina às 00:00 de quinta-feira.




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Leão_da_estrela Há 3 semanas

Não estejam preocupados porque se a VW se chatear e levar a fábrica daqui para fora, o sindicato sustenta os 3.500 trabalhadores até arranjarem emprego similar em ordenado e condições. Se não querem trabalhar dêm o lugar a outros. Esquecem-se que querem o fim-de-semana para ir aos centros comerciais e aos supers onde estão pessoas a trabalhar aos SABADOS E DOMINGOS porque precisam de ganhar a vida.

comentários mais recentes
Os aqui acusadores Há 3 semanas

Tudo Culpa do PSD/CDS, que não mudam, continuam como quando foi necessário criar a Geringonça, para tirar o País das Mãos de Passos e Cristas, enquanto existia Gente, infelizmente o PSD não se renova e continua a Necessidade de manter a Geringonça colmatando a falta do PSD.

Água Ráz Há 3 semanas

Ó Leão da Estrela o sindicato que sustenta os grevistas são os portugas os chefes arranjam sempre escapadela

fa Há 3 semanas

Está na altura da VW mudar a AutoEuropa para o Norte.

Anónimo Há 3 semanas

Sr. ministro, tem uma boa cadeira? onde entra a CGTP é para encerrar... eles pensam que é tudo como no estado.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub