Banca & Finanças Abanca, Cajamar e Cerberus apresentaram propostas vinculativas pela CGD Espanha

Abanca, Cajamar e Cerberus apresentaram propostas vinculativas pela CGD Espanha

Os interessados na compra das operações da CGD em Espanha tinham até 10 de Setembro para apresentarem uma proposta vinculativa. E foi o que os três interessados fizeram, revela o Cinco Días, que acrescenta que o Abanca é o melhor colocado.
Abanca, Cajamar e Cerberus apresentaram propostas vinculativas pela CGD Espanha
Tiago Sousa Dias/Correio da Manhã
Negócios 11 de setembro de 2018 às 08:47

O Governo convidou três instituições para avaliarem a compra das operações da CGD em Espanha: Abanca, Cajamar e Cerberus, em Junho. E determinou que estes três interessados teriam até 10 de Setembro para apresentarem propostas vinculativas. O que acabou por acontecer com as três entidades, revela o jornal espanhol Cinco Días.

 

A publicação espanhola adianta que o Abanca é o melhor colocado para a compra destas operações. Esta instituição, assim como a Cajamar, tem como objectivo crescer por via de aquisições. Foi o que o Abanca fez com a compra das operações do Deutsche Bank em Portugal.

 

O Cinco Días adianta ainda que os fundos próprios do Banco Caixa Geral España ascendem a 514 milhões de euros, e que este seria o valor de referência para a operação. Mas fontes financeiras garantem que as ofertas serão bastante mais baixas do que os 500 milhões de euros.

Os critérios para a venda das filiais da CGD

Preço 
O primeiro critério de selecção a surgir no caderno de encargos para as vendas do Banco Caixa Geral e do Mercantile Bank (África do Sul) é "o preço vinculativo apresentado para a aquisição das acções objecto da venda directa". O administrador responsável pelas unidades, Francisco Cary, afirmou, ao Expansión, que acredita que esta não será uma preocupação. 

Percentagem 
A CGD detém 99,79% da filial espanhola e 100% do banco sul-africano. É intenção da instituição presidida por Paulo Macedo desfazer-se de toda a participação, de modo a respeitar as exigências de Bruxelas. A percentagem de capital a adquirir é o segundo critério a surgir.

Condições 
O Governo e o banco dão preferência às propostas em que não haja, ou sejam minimizados, condicionalismos, como os relativos a temas jurídicos, laborais, regulatórios e económico-financeiros. 

Projecto 
O banco vai olhar para o "projecto estratégico" previsto para as suas filiais, em especial a garantia de "continuidade do relacionamento e cooperação comercial com a CGD e os seus clientes".

Idoneidade 
"A idoneidade e capacidade financeira do(s) proponente(s)" fazem parte dos itens que serão analisados quando o Executivo e a administração da CGD olharem para as propostas. 

Outros 
A existência de "termos e condições alternativos" será tida em conta.




pub