Banca & Finanças António Domingues já está livre para liderar a CGD

António Domingues já está livre para liderar a CGD

O futuro presidente da Caixa Geral de Depósitos acaba de dar o primeiro passo indispensável para assumir a liderança do banco do Estado. António Domingues renunciou esta segunda-feira à vice-presidência do BPI e ficou livre para o novo desafio.
António Domingues já está livre para liderar a CGD
Maria João Gago 01 de junho de 2016 às 12:09

António Domingues está livre para assumir a presidência da Caixa Geral de Depósitos depois de ter renunciado à vice-presidência executiva do Banco BPI.

 

Segundo informou o banco em comunicado publicado esta terça-feira à noite no site da CMVM, "António Domingues apresentou, no dia 30 de Maio do corrente ano, a sua renúncia ao cargo de vogal do conselho de administração do Banco BPI".

 

O documento não faz qualquer referência à data em que a saída do número dois de Fernando Ulrich no BPI será efectiva. Mas a verdade é que António Domingues (à esquerda na foto) deixou de estar presente nos eventos oficiais do banco onde passou os últimos 20 anos desde que, a meio de Abril, foi noticiado que o banqueiro seria o próximo presidente da CGD.

A eleição do novo conselho de administração da Caixa chegou a estar prevista para 25 de Maio, data em que teve lugar a assembleia-geral do banco do Estado, que serviu apenas para aprovar as contas do ano passado. A nomeação dos novos gestores acabou por ser adiada, decisão que não será alheia ao processo de fecho da composição da nova equipa.

 

Há várias semanas que Domingues está a trabalhar no plano de capitalização da Caixa que deverá implicar uma injecção de fundos públicos num valor próximo de 4.000 milhões, a ser feita de forma faseada.

 

O aumento de capital deverá pressupor que a CGD volte a dar lucros, para que o Estado possa mobilizar recursos para a operação, sem que tal seja considerado uma ajuda pública por parte da Comissão Europeia. Se assim for, Bruxelas nem sequer terá de autorizar esta injecção de fundos.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 07.07.2017

We sell the sale of iPhones 7 directly from Apple warehouses unofficially for 30% of the market value. Always available and in large quantities:
1. New Apple iPhone 7 Plus 256 GB (Jet Black) (FACTORY UNLOCKED) International Version no warrants - $ 303
2. New Apple iPhone 7 Plus 256GB Factory Unl

anonimo 01.06.2016

Os contribuintes continuam a ser a solução para tudo. lá vão mais 4.000.000 .Na CGD ninguém é responsabilizado, porque existem sempre os burros do costume prontos a injetar dinheiro.Para quando uma investigação à gestão na CGD?

pub
pub
pub
pub