Banca & Finanças Bancos recusaram pedido de Bruno de Carvalho para congelar contas do Sporting

Bancos recusaram pedido de Bruno de Carvalho para congelar contas do Sporting

Bruno de Carvalho alega que ainda é o presidente sportinguista e ameaça mover acções cíveis contra os bancos que não cumpram a solicitação.
Bancos recusaram pedido de Bruno de Carvalho para congelar contas do Sporting
Vítor Chi/Record
Negócios 20 de agosto de 2018 às 21:56
O presidente destituído do Sporting, Bruno de Carvalho, pediu aos bancos para bloquearem as contas do clube e recusarem transacções que envolvam a instituição, noticiou o Correio da Manhã.

Bruno de Carvalho alega que ainda é o presidente sportinguista e ameaça mover acções cíveis contra os bancos que não cumpram a solicitação. As instituições bancárias receberam esta informação via email e fax por Alexandre Godinho, advogado de Bruno de Carvalho.

Bancos recusam

A Comissão de Gestão do Sporting confirmou este pedido de Bruno de Carvalho, mas garante que as instituições financeiras recusaram "participar nesta tentativa de fraude".

"Invocando os mesmos documentos com que na passada sexta-feira ilegalmente pretendeu usurpar funções que comprovadamente não são suas, hoje, permitiu-se enviar durante o dia cartas a bancos com os quais o Sporting mantém relações comerciais, nas quais, na qualidade abusivamente invocada de presidente do Conselho Diretivo do Sporting, se permitiu pressionar os referidos bancos para impedir que as contas bancárias do SCP continuem neles a ser movimentadas pelos órgãos do clube legitimamente em funções", lê-se num comunicado da Comissão de Gestão do Sporting.

"Esta desesperada iniciativa não obteve sucesso, tendo as referidas entidades bancárias recusado participar nesta tentativa de fraude", acrescenta o comunicado.


Processo crime

A Comissão de Gestão do Sporting, que foi contactada pelos bancos, vai avançar com um processo crime contra Bruno de Carvalho por usurpação de funções, tal como tinha avançado o Record.

No comunicado, a Comissão de Gestão afirma que decidiu "participar criminalmente do ex-Presidente destituído pelos sócios junto do Ministério Público por fraude e usurpação de funções" e "participar à Comissão de Fiscalização estes factos para os efeitos tidos por convenientes."

(notícia actualizada com comunicado da Comissão de Gestão do Sporting. Título alterado)



pub