Banca & Finanças Bancos turcos precisam de 6 mil milhões de financiamento

Bancos turcos precisam de 6 mil milhões de financiamento

As instituições financeiras na Turquia têm de ir ao mercado para obterem 6 mil milhões de dólares em financiamento. Emissões de dívida que têm de se realizar até ao final do ano, numa altura em que o país vive a pior crise económica em anos.
Bancos turcos precisam de 6 mil milhões de financiamento
Umit Bektas/Reuters
Rita Atalaia 04 de setembro de 2018 às 15:04

Os bancos turcos têm de ir ao mercado para obterem 6 mil milhões de dólares nos próximos meses. Contudo, as instituições financeiras vão emitir dívida sindicada numa altura em que a Turquia vive a pior crise económica em anos. Ou seja, os analistas estimam que deverão ter de pagar mais para se financiar. 

 

De acordo com a Bloomberg, pelo menos nove bancos turcos têm de concluir emissões sindicadas em dólares até ao final do ano, deixando o sector muito dependente de financiamento estrangeiro. Mas também com pouco tempo e poucas opções para concluírem operações que normalmente envolvem dezenas de instituições financeiras a nível mundial.

 

"A situação é definitivamente pior em comparação com outras crises na Turquia", afirmou Reza Karim, analista de crédito da Jupiter Asset Management, à Bloomberg. "O preço terá certamente de mudar", acrescentou.

 

As emissões dos bancos turcos serão um teste importante à capacidade de o país obter financiamento nos mercados de dívida, isto depois de as sanções impostas pelos EUA terem arrefecido a economia, levado a lira turca para mínimos históricos e pressionado os juros do país.

"Prevemos uma subida dos custos [que os bancos vão pagar nas emissões]", referiu Okan Akin, analista de crédito da AllianceBernstein, em Londres. "É lógico que os preços de todos os activos turcos sejam revistos para reflectirem a nova realidade no mercado", notou o analista.


Por norma, as instituições financeiras na Turquia realizam emissões em dólares porque as taxas de juro são mais baixas em comparação com o mercado de dívida em liras.

 

Bancos vão ao mercado após corte de rating

Esta procura por financiamento acontece num cenário de crise económica na Turquia. E depois de a Moody’s ter decidido cortar o rating de 18 bancos e alertado para "um aumento substancial no risco de um cenário de queda". A agência também reduziu recentemente a notação da Turquia para Ba3, o terceiro nível de lixo, atribuindo-lhe uma perspectiva negativa.

Para travar este sentimento negativo, o banco central da Turquia tem vindo a adoptar várias medidas, tendo nomeadamente sinalizado uma subida das taxas de juro na próxima reunião de política monetária, daqui a apenas dez dias.

 

No final de Agosto, a autoridade monetária também anunciou alterações nas regras aplicadas ao financiamento interbancário que, na prática, reduziram a liquidez terminando com o financiamento irrestrito que estava no terreno desde o dia 13 de Agosto. 




pub