Banca & Finanças Banif está em "negociações finais" para concluir capitalização

Banif está em "negociações finais" para concluir capitalização

Jorge Tomé espera anúncio em breve do último passo do plano de capitalização.
Banif está em "negociações finais" para concluir capitalização
Diogo Cavaleiro 30 de janeiro de 2014 às 20:26

O Banif encontra-se, neste momento, em "negociações finais" com investidores para a última fase do plano de capitalização.

 

Ao Negócios, à margem da cerimónia de entrega de prémios da Euronext, o presidente executivo do Banif, Jorge Tomé, afirmou que haverá novidades "em breve", sem querer adiantar mais pormenores.

 

O Banif começou um plano de capitalização no ano passado, junto de investidores privados e falta cerca de 200 milhões de euros, que deverão ser injectados por investidores internacionais. É este acordo que se encontra em negociações finais.

 

O Banif assumiu o compromisso de aumentar o capital em 450 milhões com recursos privados no âmbito acordo celebrado quando o Estado injectou 1.100 milhões no banco fundado por Horácio Roque, no final de Janeiro de 2013. Deste valor, 700 milhões destinaram-se à subscrição de acções do Banif, enquanto os restantes 400 milhões foram aplicados em “CoCos”.

 

Desta última fatia, o grupo já reembolsou 150 milhões. Está prevista a devolução de 125 milhões no final de 2013 e, até ao final de 2014, terá de ser reembolsada a totalidade dos 400 milhões relativos aos “CoCos”.

 

Em relação à capitalização de 450 milhões de euros, faltam cerca de 200 milhões de euros, cuja colocação foi abordada "basicamente com investidores institucionais internacionais". Este será o sexto passo do plano.

 

O quinto passo foi uma oferta pública de troca (em que alguns investidores aceitaram trocar valores mobiliários por acções do Banif), através da qual a instituição fundada por Horácio Roque arrecadou 70,8 milhões de euros. Poderia conseguir 199 milhões, mas o banco já tinha reduzido o objectivo para 50 milhões – o que lhe permite, agora, dizer que a operação foi bem-sucedida.

 

O plano de capitalização do Banif teve o pontapé de partipação com uma colocação particular, com que conseguiu 100 milhões de euros, precisamente junto destes accionistas de referência.

 

O compromisso destes accionistas foi concretizado em Julho passado, o mesmo mês em que o Banif encaixou outros 100 milhões de euros, com o aumento de capital por venda de novas acções em bolsa.

 

A colocação particular junto de empresários como Dionísio Pestana ou Ilídio Pinho resultou num encaixe adicional de 40,7 milhões de euros. A esta colocação, em Agosto, seguiu-se mais um passo na semana passada: um reforço de capital de 700 mil euros, com a conversão de valores mobiliários convertíveis obrigatoriamente em acções (VMOC)

 

Paralelamente, estão ainda em aberto as negociações entre o Banif e a Direcção-Geral da Concorrência da União Europeia, relativas ao plano de reestruturação que o banco terá de adoptar pelo facto de ter recebido ajuda do Estado.

 

Esta tarde, em comunicado à CMVM, o Banif anunciou que obteve um financiamento, através de uma emissão de dívida sénior em euros e dólares, num total de cerca de 77,5 milhões de euros.

 

 




A sua opinião41
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 30.01.2014

entao eu era mentiroso......tres dias a comprar banif ao desbarato.....ehehheh......3 centimos amigos....

comentários mais recentes
Banif: a notícia é muito encorajadora, e forte 05.02.2014


A noticia do acordo com a Guiné Equatorial, é muito promissora, e robusta.
Em primeiro lugar, para os distraídos: Guiné Equatorial é distinta da Guiné ex-colonia portuguesa. A Guiné Equatorial era um país pobre, até que na decada de 90 se descobriu inicialmente gás natural, e a meados da decada de 90, a descoberta de grandes reservas de petróleo mudaram por completo a economia do país. Para se ter uma ideia real, a industria extrativa representava em 2012, a parcela de 89,4% do PIB do país.
Agora, igualmente importante: porque o acordo foi assinado com a Republica da Guiné Equatorial, se a entrada no capital será atraves duma empresa? Naturalmente será porque essa empresa é publica.E, a Sonagas encaixa na perfeição: é a empresa paraestatal da Guiné Equatorial, fundada em 2005, pelo Governo da Guine Equatorial, para a exploração de gás.
Portanto, tudo indica que o Banif vai ser capitalizado pela empresa do gas natural da Guine Equatorial, com forte disponibilidade financeira.

Anónimo 01.02.2014

Eu avisei que iam perder o comboio
Vejam o correio da manhã - ditador da Guiné entra com 130 milhões...vamos ver se não há mais...

FECHEM ESTA TRETA...ISTO NÃO É UM BANCO É UM BURACO, E NÃO TARDA TEMOS AÍ OUTRO BPN PARA PAGAR!!! 31.01.2014

.

Anónimo 31.01.2014

aA unica coisa que me importa é que devolvam o dinheiro que o contribuinte têm enterrado aqui, e que não pensem que daqui a um ano o contribuinte vai resgatar estes génios financeiros mais uma vez.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub