Banca & Finanças BCE desviou peso da crise na banca da Irlanda dos credores para os contribuintes

BCE desviou peso da crise na banca da Irlanda dos credores para os contribuintes

Um inquérito oficial à crise bancária na Irlanda entre 2008 e 2010, divulgado esta quarta-feira, apurou que o Banco Central Europeu (BCE) permitiu que os contribuintes suportassem uma parte "inapropriada" do seu custo.
BCE desviou peso da crise na banca da Irlanda dos credores para os contribuintes
Bloomberg
Lusa 27 de janeiro de 2016 às 23:55

No relatório, de 460 páginas, da investigação feita por políticos irlandeses, sustentou-se que antes do colapso os bancos irlandeses começaram a assumir abordagens mais agressivas na concessão de empréstimos e que os reguladores financeiros falharam na identificação dos riscos.

 

Depois de anunciado o programa de assistência financeira, afirmou-se no documento, o BCE ameaçou o governo irlandês em Março com a retirada de um apoio de emergência para os bancos se as perdas fossem imputadas aos credores seniores, ou investidores de relevo.

 

"A posição do BCE, de Novembro de 2010 a Março de 2011, sobre a imposição de perdas aos credores seniores, contribuiu para a inapropriada colocação da dívida bancária em cima dos cidadãos irlandeses", criticaram os autores do relatório.

 

A economia da Irlanda, que chegou a ser considerada o Tigre Celta, entrou em recessão em 2008, depois de uma década de taxas de crescimento com dois dígitos, alimentadas pelo crédito barato e crescimento acentuado dos sectores da construção e imobiliário.

 

Um dos resultados da crise foi a nacionalização do Anglo Irish Bank, em 2009, e um programa de assistência financeira europeu de 85 mil milhões de euros, em 2010.

 

Depois de sofrer fortes medidas de austeridade, a Irlanda saiu daquele programa em 2013. A economia da Irlanda voltou a ser uma das economias da União Europeia que mais cresce. As previsões oficiais da taxa de crescimento do produto interno bruto em 2015 apontam para os 7,0%. 

 

Durante o inquérito, que foi iniciado em 2014, foram ouvidas 128 testemunhas e as audições públicas foram concluídas em Julho do ano passado. 


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 28.01.2016

A Irlanda merece.

pub
pub
pub
pub