Banca & Finanças Bloco defende que nova emissão de dívida da Caixa deve ser travada

Bloco defende que nova emissão de dívida da Caixa deve ser travada

Mariana Mortágua defende que a emissão de 500 milhões de euros de dívida feita pela Caixa esta quinta-feira "põe em causa o interesse financeiro" do próprio banco. O Bloco não quer que o banco faça a segunda emissão prevista para o próximo ano e meio.
Bloco defende que nova emissão de dívida da Caixa deve ser travada
Miguel Baltazar
Marta Moitinho Oliveira 24 de março de 2017 às 12:26

O Bloco de Esquerda defende que a emissão de dívida que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) realizou esta quinta-feira, no valor de 500 milhões de euros, põe em causa o balanço do banco e aconteceu por imposição da Comissão Europeia, que teve de aprovar o plano de recapitalização da Caixa. O partido liderado por Catarina Martins quer que o banco público já não faça a segunda emissão, de 430 milhões de euros, que tem de ser feita nos próximos 18 meses.

"A recapitalização [do banco público] não pode ser feita à custa do equilíbrio financeiro da Caixa", disse a deputada Mariana Mortágua, aos jornalistas, no Parlamento. A CGD colocou esta quinta-feira 500 milhões de euros de dívida perpétua a uma taxa de 10,75%. Este foi o juro cobrado pelos investidores para emprestarem dinheiro à Caixa.

Esta é uma "má emissão de dívida para a CGD", acrescentou a deputada, lembrando que "outros bancos pagaram o mesmo", o que mostra que "este instrumento é mau para qualquer banco". 

"Por um capricho da Comissão Europeia, a Caixa emitiu dívida pondo em causa o seu próprio interesse financeiro", acusou, afirmado que "esta emissão de dívida é contra o interesse do país". Antes Mariana Mortágua tinha recordado palavras de António Costa no debate quinzenal, quando garantiu que escolheria sempre o interesse do país, quando abordado sobre o dossier Caixa. 

O Bloco quer assim travar a segunda emissão que a Caixa ainda tem de fazer, no valor de 430 milhões de euros e que tem de ser feita nos próximos 18 meses. "A segunda emissão não deve ser realizada" e a Caixa deve fazer "tudo" para que "no prazo de cinco anos possa amortizar esta dívida" contraída agora, defendeu.

O plano de capitalização da Caixa prevê uma emissão de dívida perpétua a privados no valor total de 930 milhões de euros, com a primeira parcela (de 500 milhões) a acontecer simultaneamente com a injecção de dinheiro fresco no valor de 2.500 milhões de euros. O plano de recapitalização prevê que uma operação não possa acontecer sem que a outra se concretize.
  


A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 24.03.2017

Pura estratégia da Geringonça...
... primeiro aprovam as medidas
... depois o BE acorda para vida de esquerda
... só agora é que se lembraram

... é simples o BE e o PCP ficam a pagar a renda vitálicia destas 2 emissões...

comentários mais recentes
SALAZAR 24.03.2017

MAIS UM NEGÓCIO CRIMINOSO DE LESA-PÁTRIA. UMA OBRIGAÇÃO PERPÉTUA, TANTO QUANTO SEI, SIGNIFICA QUE A CGD TERÁ QUE PAGAR 50 MILHÕES DE EUROS TODOS OS ANOS ETERNAMENTE... É EVIDENTE QUE ISTO É UM NEGÓCIO DAS ARÁBIAS... EM DEZ ANOS OS INVESTIDORES RECUPERARAM O CAPITAL E DEPOIS É SÓ FACTURAR... PRISÃO!!

Anónimo 24.03.2017

Tu queres é fazer assalto às contas do povo, está-te borrifando para os descalabros da CGD. O que fizeste para descobrir os ladrões da CGD?

pertinaz 24.03.2017

AH AH ... DELÍRIO ...!!!

Jaime 24.03.2017

E só fala agora? E antes? É que falar depois é para pacóvios. Estes nunca me enganaram, mas vão deixar o país de rastos. Não querem que se investigue onde foi o dinheiro da CGD, tentam bloquear tudo, e agora fazem-se de santos... Precisamos de votar em partidos diferentes, em pessoas diferentes

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub